Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
João, o vencedor

Marcelo José Corrêa de Araújo
Advogado

Publicado em: 03/12/2020 03:00 Atualizado em: 03/12/2020 05:52

Tive o privilégio de, na condição de ativista, participar da campanha política de JOÃO CAMPOS 40. Na condição de advogado, integrei um grupo de voluntários que cuidou do dia da eleição na 2ª Zona Eleitoral do Recife.

Desde a pré-campanha aderi ao projeto de JOÃO CAMPOS, por entender que naquele jovem estava nascendo uma liderança política que vai transformar o Estado de Pernambuco, dando seguimento aos passos de seu pai, que nos deixou precocemente.

Em que pese a idade, JOÃO CAMPOS a cada momento demonstrou que tem maturidade para enfrentar os problemas do Recife.

Herdeiro de um patrimônio político imaculável, assumiu a postura que lhe cabia de ser o representante natural, passando a construir seu próprio espaço, tudo isso dialogando e sempre atento às demandas.

Soube, com maestria, consolidar sua candidatura a prefeito do Recife, construindo junto com a população um programa de governo sem se afastar, uma linha sequer, da verdade e das coisas possíveis de realizar.

A vocação, a dedicação e o estudo  fizeram de JOÃO CAMPOS um profundo conhecedor dos problemas da cidade do Recife, possibilitando assim, a identificação de soluções possíveis de serem realizadas.

Não se deixou levar pela vaidade, ao contrário. Vem demonstrando ser uma pessoa humilde e aberta ao diálogo.

Soube também, com excesso de sobras, montar uma equipe de campanha de alto nível de competência, que, na minha ótica, tem uma imensa responsabilidade pelo resultado.

Em que pese o seu partido, o PSB, hoje comandar o Governo de Pernambuco e a Prefeitura da Cidade do Recife, JOÃO CAMPOS assumiu o comando de sua campanha, tomando para si a responsabilidade  por tudo que nela ocorreu, sendo seu, todo mérito pelo êxito.

Teve a difícil missão de concorrer com várias candidaturas, sendo vítima de ataques infundados e que destoam da realidade , mas, em momento algum, subiu o tom da voz ou perdeu o equilíbrio.

Vencedor que foi no primeiro turno, concorreu no segundo turno com candidata Marília Arraes, do PT, e, de igual forma como ocorreu no primeiro turno, apresentou uma campanha propositiva, não deu azo aos ataques e agressões, procurou sempre a via do debate dos problemas da cidade, manteve-se sempre firme, falou a verdade, não se deixou levar pela emoção, respeitou a adversária e sobretudo o eleitor recifense.

A vitória foi consequência da campanha limpa e honesta, do debate que soube promover e sobretudo da percepção do eleitor de que JOÃO CAMPOS apresentou indiscutivelmente a melhor proposta para o futuro da cidade do Recife.

Desarmado o palanque, JOÃO CAMPOS tem agora a missão de pacificar e unir todos em prol do Recife, e, certamente, saberá absorver as agressões sofridas na campanha eleitoral, deixando estas, apenas para registro na história.

Agora, vencida a eleição, sou convicto que saberá montar uma equipe e vai governar com as mesmas qualidades que soube vencer, com maturidade, ouvindo as pessoas, com responsabilidade e dando o melhor de si para a cidade do Recife.

Parabéns a JOÃO CAMPOS, o vencedor.

Verão inspira cuidados com a saúde e alimentação
Resumo da semana: enfim, a vacina, posse de Biden e cerco contra os fura-filas
Rede de voluntários faz diferença em Manaus
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão - Algas e fungos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco