Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Editorial Aproveitar o aceno de paz

Publicado em: 08/07/2020 03:00 Atualizado em: 08/07/2020 07:32

O pedido do presidente argentino, Alberto Fernández, para que sejam aparadas as arestas entre as nações do Mercosul, precisa ter boa acolhida no Palácio do Planalto e no Itamaraty, que já demostraram algumas reticiências políticas quando o assunto são as relações entre os estados membros do tratato de livre comércio assinado nos anos 1990 entre Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. O tamanho da crise econômica no pós-pandemia do novo coronavírus ainda não foi mensurado, mas o certo é que atingirá todo o bloco e somente com efetivas ações conjuntas os efeitos negativos poderão ser mitigados.

Na avaliação do mandatário do país vizinho, além do enfrentamento ao avanço da Covid-19, os integrantes do Mercosul devem concentrar seus esforços na eliminação das diferenças entre eles, tendo em vista as medidas que poderão contribuir para contornar a crise que se avizinha. Entender que a integração regional será capaz de evoluir se acabarem as arestas entre as relações dos governos. Na primeira reunião virtual do bloco, motivada pelo distanciamento social imposto pela pandemia, Fernández fez questão de sublinhar que “a reunião do Mercosul é uma reunião dos nossos povos e isso deve ser colocado adiante dos que governam hoje”. E pediu para que as questões ideológicas fossem colocadas de lado em benefício de todos.

O presidente Jair Bolsonaro criticou o colega argentino durante a campanha eleitoral, no ano passado, que levou o peronista Fernández à Casa Rosada, sede do governo. O mandatário brasileiro apoiou, abertamente, o então presidente Mauricio Macri, candidato à reeleição, chegando a dizer que se ele perdesse a Argentina iria trilhar o caminho da bolivariana Venezuela, o que causou forte mal estar nas hostes do postulante peronista.

Para acirrar ainda mais as relações bilaterais, Bolsonaro não compareceu à posse de Fernández. E não manteve qualquer canal de diálogo direto com o chefe da nação vizinha, o principal parceiro comercial do Brasil na América Latina.

Na mesma linha do argentino, o presidente do Uruguai, Lacalle Pou — ele assumiu a presidência rotativa do Mercosul — enfatizou que o bloco deve priorizar o equacionamento das discordâncias relativas ao acordo com a União Europeia, assinado em 2019.

As negociações com a UE estão cada vez mais complicadas devido aos questionamentos sobre a política ambiental do Brasil, sobretudo relacionada às queimadas e desmatamento. No início do ano, o Parlamento da Holanda votou contra o acordo e, recentemente, o presidente francês, Emmanuel Macron, também mostrou-se alinhado aos holandeses.

Bolsonaro tentou tranquilizar seus colegas ao revelar ter instruído seus auxiliares a “desfazer opiniões distorcidas sobre o Brasil” no exterior, numa tentativa de desconstruir a imagem negativa que a Europa tem do governo brasileiro em relação ao meio ambiente. Espera-se que demonstrações de boa vontade prevaleça e que os problemas conjuntos sejam abordados e resolvidos dentro de um clima de entendimento e de respeito mútuo, sem interferências ideológicas. Tanto no Cone Sul do continente quanto do outro lado do Atlântico.

Comerciantes de praias do estado protestam em frente ao Palácio
Grande explosão atinge Beirute, capital do Líbano
Rhaldney Santos entrevista o pré-candidato à prefeitura do Recife  Paulo Rubem
Aumenta tensão entre o STF e o Facebook por conta de ordem de exclusão de perfis
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco