Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Ser conselheiro é honroso, mas trabalhoso

Cláudio Sá Leitão
Conselheiro pelo IBGC e CEO da Sá Leitão da Auditores e Consultores

Publicado em: 12/10/2019 03:00 Atualizado em:

O Conselho de Administração (CA) é o órgão máximo de governança que tem como objetivo principal zelar pela visão e pela estratégia da Companhia (Cia). Já se foi o tempo em que boa parte das Cias ocupava o CA com profissionais de idade avançada e aposentados, bem como o utilizavam como palco para ilustres figurantes que marcavam presença nas reuniões por serem amigos de acionistas ou de investidores. A partir das novas regras de Governança Corporativa (GC), surgiu uma maior diversidade de perfis, que passaram a exigir dos conselheiros mais experiência e responsabilidade. Ser conselheiro nesses novos tempos, requer uma postura mais ativa e comprometida, necessitando uma maior compreensão, por parte dele, quanto aos riscos inerentes à função, não apenas relacionados com os seus bens pessoais, como também à sua reputação. Qualquer conduta inadequada da administração da Cia ou de seus funcionários podem trazer consequências sérias aos seus conselheiros, os quais podem ser responsabilizados por ação ou omissão. É essencial que o conselheiro seja capaz de compreender os riscos do negócio, analisar o que lhe for apresentado e ser capaz de identificar as inconsistências. É inadmissível que ele não esteja apto para a leitura dos relatórios contábeis e financeiros, seja qual for a sua formação e experiência profissional. Ao assumir o cargo no CA, o conselheiro tem a responsabilidade de zelar pela ética, pela transparência, pela prestação de contas e pela sustentabilidade do negócio, além dos cuidados com o compliance e com o meio ambiente. Atuar em um CA pode ser considerado por alguns especialistas como o topo da pirâmide da vida de um profissional. Afinal, os conselheiros agem e atuam não apenas para “cumprir tabela”, mas para exercer a função no nível mais alto do poder e de capacidade de decisão de uma Cia. Essa função requer competência e dedicação. Atualmente, não há espaço para conselheiros figurantes e vaidosos, tipo àqueles de novela, com cabelos brancos e de paletó com colete, que apenas balançam a cabeça e concordam com tudo. Por isso, ao aceitar um convite, o conselheiro deve ter conhecimento das regras básicas da GC, que se tornaram mais rígidas com o tempo, além de não esquecer da impossibilidade de atuar como executivo, isto é, deve deixar de lado essa atividade. Lembrando, também, que a avaliação da sua motivação pode contribuir para melhorar com a GC, mantendo sempre o olhar voltado para o futuro da Cia.  O exercício dessa função de conselheiro requer uma atuação da sua atividade com muita dedicação, responsabilidade e prazer, sempre procurando fazer o melhor, de forma a gerar valor para a Cia. Em suma, o CA não pode ser tratado como um stand de homenagens, nem tampouco como ambiente para figurões, pois ao ser convidado para a exercer a função, o conselheiro deve se sentir honrado, porém ciente do quanto será trabalhoso. Trata-se de um cargo que exige envolvimento e comprometimento do conselheiro, sendo um fórum de trabalho que traz consigo a obrigatoriedade de cumprir as regras rígidas sobre a administração da Cia, por parte dos board members. Tudo isso é para se ter uma Cia. mais sólida, ética e competitiva. 

Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
03/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco