Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Os homens (ainda) não vão ao médico

Roberto Lucena
Doutor em Urologia e presidente da Sociedade Brasileira de Urologia - Seccional Pernambuco

Publicado em: 24/10/2019 03:00 Atualizado em: 24/10/2019 08:51

Historicamente, homens vão menos ao médico do que as mulheres. Esse problema é um verdadeiro tabu já que muitos homens não conseguem sequer ir ao médico sozinho ou por iniciativa própria. De acordo com uma pesquisa do Centro de Referência em Saúde do Homem em 2018, cerca de 70% deles só vão a consultas médicas acompanhados. O estudo conclui ainda que mais de 50% dos homens só procuram ajuda médica quando o sintoma já está avançado, muitas vezes necessitando de intervenção cirúrgica.

Esse problema é muito sério e diz bastante sobre a forma que nossa sociedade e os próprios homens tratam sua própria saúde. Muitos só passam a se preocupar com a necessidade de acompanhamento médico quando chegam próximo dos 50 anos que é idade recomendada para o início do acompanhamento anual via exame de próstata. Esse, talvez, seja o maior medo masculino: tanto o tabu do toque no exame, quanto o próprio resultado do que dali pode aparecer.

O câncer de próstata é o segundo tipo de câncer mais comum entre os homens brasileiros (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma), segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA). É por isso que durante o mês de novembro a Sociedade Brasileira de Urologia promove o  #NovembroAzul, cujo foco é conscientizar, desmistificar e reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata.

A boa notícia é que hoje em dia temos técnicas avançadas e bastante seguras para as cirurgias, caso seja necessário. O método da cirurgia robótica é mais ágil e seguro do que os métodos tradicionais, otimizando os resultados em cirurgias que antes ofereciam riscos aos pacientes - seja durante o procedimento ou no pós, evitando sequelas e complicações. Na urologia é uma ferramenta eficaz na remoção do temido câncer de próstata, além de ser usado em outros casos, como o  tratamento da varicocele, ambas relacionadas com a impotência sexual e infertilidade masculinas.

A necessidade do acompanhamento médico periódico e do autoexame masculino, que muitos homens sequer sabem que existe, é algo que deve ser levado durante toda a vida. O Novembro Azul passa, mas a necessidade da conscientização tem que durar por um bom tempo, pelo menos até os homens entenderem que lugar de homem é no médico, cuidando da sua saúde.

Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
03/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco