Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Este texto é para você

Rogério Morais
Diretor Executivo Pedagógico da Secretaria de Educação do Recife

Publicado em: 11/10/2019 03:00 Atualizado em: 11/10/2019 09:36

Patrícia é médica pediatra. Daniel é professor da educação infantil. Célia é juíza. Paulo é recreador, trabalha com festas infantis. Margarida é jornalista. Sérgio é jardineiro. Julia é arquiteta urbanista. Thiago é empresário. Uma coisa em comum: todos são diretamente envolvidos com o tema da primeira infância.

O desafio de garantir direitos para todos na primeira infância, período que vai do 0 aos 6 anos de idade, é multissetorial. Primeiro, porque envolve o olhar de praticamente todos os serviços públicos: educação, saúde, assistência social, habitação e segurança social, por exemplo. Segundo, também pode ser compreendido como prioridade por organizações dos outros setores da economia, ou seja: por empresas privadas, igrejas, entidades de classe e fundações. Terceiro, não distingue classe social: o bem comum só é atingido e reforçado se ricos e pobres tiverem a mesma oportunidade.

Como diz um provérbio africano, “é preciso toda uma aldeia para educar uma criança”. Somente através de uma forte campanha de sensibilização em relação ao tema, utilizando estratégias de comunicação como as usadas em campanhas da saúde (combate ao tabagismo, vacinação, prevenção contra o câncer de mama, etc), poderemos experimentar uma aceleração da percepção da necessidade de uma grande aliança para a primeira infância, seja no nível global ou local.

A primeira infância é a maior prioridade da cidade. Uma criança acolhida com vínculos afetuosos e não exposta a situações de estresse prolongado (estresse tóxico), tende a ser um adulto mais feliz, com melhor nível de escolaridade e renda, mais saudável e menos propenso a cometer crimes. Como comprovado por um Nobel renomado de economia, o americano James Heckman, é o melhor investimento que um governo pode fazer. Para cada 1 dólar investido neste período, o retorno econômico é de 8 dólares.

O certo é que aqui no Recife já demos a largada para empreender nesta caminhada. No final do ano passado, aprovamos o nosso Marco Legal da Primeira Infância e, agora, vamos fazer o primeiro Plano Municipal da Primeira Infância, com o desejo de produzir a maior escuta social feita na história desta cidade. Quanto mais contribuições integrarem o processo, maior a pluralidade e o comprometimento.

Toda criança nasce com o mesmo potencial cognitivo. Todos largamos do mesmo ponto. Portanto, a solução mais efetiva para o combate às desigualdades é dar as mesmas condições para o filho do rico e para o filho dos pobres. O futuro do Recife exige uma resposta unida dos seus mais de 1,5 milhão de cidadãos.

Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
03/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco