Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Editorial Marcha das Margaridas

Publicado em: 15/08/2019 03:00 Atualizado em: 15/08/2019 11:09

A Marcha das Margaridas é evento marcado no calendário de Brasília. Ocorre a cada quatro anos. Apesar de prevista, parece ter surpreendido o governo do Distrito Federal. Ontem, na sexta edição, a multidão organizada tomou o Eixo Monumental a partir das 7h. Caminhou até o prédio do Congresso Nacional. Sem estratégia das autoridades responsáveis pela segurança e o bem-estar da população, o trânsito transformou-se em caos. Congestionamentos talvez inéditos em vias importantes da capital impediram que trabalhadores chegassem ao destino e estudantes às escolas.

O transtorno mereceu a atenção da imprensa e das mídias sociais. É natural e compreensível ante o tumulto registrado. Mas não obscurece o papel do movimento. Organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e sindicatos rurais, a mobilização reúne agricultoras familiares, ribeirinhas, quilombolas, pescadoras, camponesas, trabalhadoras dos movimentos feministas e indígenas. São pessoas simples, marcadas pela pobreza e pela ausência de educação formal. Sozinhas, não têm voz nem poder de pressão. Juntas, ganham força.

Elas reivindicam políticas públicas e enfrentamento da violência contra a mulher. Ponto alto: dão visibilidade a problemas considerados tabu. As margaridas têm pouco acesso a informações sobre medidas governamentais. Entre elas, conquistas importantes como a Lei Maria da Penha e a Lei do Feminicídio. O desconhecimento fica evidente quando se buscam os dados sobre a violência contra a mulher do meio rural. Inexistem diagnósticos e, em consequência, instrumentos de combate.

Segundo a Cepal, 40% dos feminicídios notificados na América Latina e Caribe ocorrem no Brasil, quinto país que mais assassina pessoas pela condição de gênero. O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos mostra números constrangedores: de janeiro a julho de 2018, o Ligue 180 registrou 27 feminicídios, 51 homicídios, 547 tentativas de feminicídios e 118 de homicídios. No mesmo período, as denúncias de maus-tratos e agressões chegaram a 79.661 — 37.396 referentes à violência física e 26.527, psicológica. Também aí falta discriminar a violência contra as mães, as esposas, as filhas do campo e das florestas e as trabalhadoras do agro, hidro e mineronegócio.

A Marcha das Margaridas desmascara a realidade que envergonha as consciências civilizadas. Temas tabus saem dos subterrâneos do atraso e se mostram à luz do sol. Expostos, impõem medidas aptas a apontar soluções. Tal como os motoristas que, engarrafados, tiveram de se inteirar do drama que se desenrolava nas pistas da capital, o Palácio do Planalto, a Esplanada dos Ministérios, o Congresso Nacional precisam ouvir a voz de 100 mil mulheres que ecoam Brasil afora. Que venham as respostas.

Grande explosão atinge Beirute, capital do Líbano
Comerciantes de praias do estado protestam em frente ao Palácio
Rhaldney Santos entrevista o pré-candidato à prefeitura do Recife  Paulo Rubem
Aumenta tensão entre o STF e o Facebook por conta de ordem de exclusão de perfis
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco