Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Opinião
Editorial Sarampo também mata

Publicado em: 28/02/2020 03:00 Atualizado em: 28/02/2020 09:14

Tão ou mais agressivo que o coronavírus, epidemia que eclodiu na China e deixou o mundo em alerta, é o sarampo, que também pode matar. No dia 10 último, o Ministério da Saúde lançou a campanha de vacinação, com a mobilização de 42 mil postos de atendimento em todo o país. A meta é vacinar 3 milhões de crianças e jovens, entre 5 e 19 anos, até 13 de março. Entre as unidades da Federação, foram distribuídas 3,9 milhões de doses, 9% a mais do que o solicitado pelas secretarias estaduais de Saúde, um investimento de R$ 15 milhões.

Só a vacinação protege as pessoas do vírus que tem alta transmissibilidade e pode provocar graves complicações, como pneumonia, e levar o paciente a óbito. Neste período de folia de Momo, a aglomeração de pessoas em blocos de rua, escolas de samba e bailes carnavalescos cria ambientes propícios à disseminação do sarampo. A transmissão do vírus entre indivíduos se dá pelo ar. Cada infectado tem potencial de transmitir o vírus para 90% das pessoas ao seu redor. Não há medicação específica para quem contraiu o sarampo, só para reduzir o desconforto causado pela doença.

Os sintomas se confundem com os de um resfriado: febre acompanhada de tosse, irritação nos olhos, nariz escorrendo ou entupido e mal-estar intenso. A princípio, são bem semelhantes ao do Covid-19, segundo a nova nomenclatura dada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O sinal amarelo para o Covid-19 acende para quem esteve na China, mais precisamente na cidade Whuan, onde começou a epidemia, ou na Coreia do Sul, que decretou situação de emergência ante o aumento do número de pacientes.

Em 2019, 18.203 casos de sarampo foram confirmados, com 15 mortes (14 em São Paulo). Desde o início deste ano, os estados de São Paulo (77 casos), Rio de Janeiro (73), Paraná (27), Santa Catarina (22) e Pernambuco (3) registraram infecções pelo vírus. Neste ano, uma criança morreu no Rio de Janeiro, depois de 20 anos sem registro de óbito por sarampo. Para conter a transmissão do vírus, é preciso imunizar pelo menos 95% da população vulnerável. Não há alternativa, e isso precisa ser repetido para romper definitivamente a onda de falsas informações de que a vacinação contra o sarampo e outras doenças infectocontagiosas, contidas pela imunização, provocavam danos como a zika, transmitida pelo mosquido Aedes aegypti.

Diante dos alertas, cabe ao cidadão se precaver. O poder público tem a obrigação de propiciar atendimento e assistência necessários aos que precisam dos serviços médico-hospitalares. Mas a responsabilidade com a saúde depende, em boa parte, de cada indivíduo e dos responsáveis pelas crianças e pelos adolescentes. Negligenciar é dar sorte para o azar.

Mais lidas

mais lidas

De 1 a 5: discos da música brasileira para ouvir na quarentena
Barrados na quarentena   o drama de quem não pode ficar em casa durante a pandemia
Resumo da semana: amor na pandemia, confinamento rastreado e mortes por Covid-19 em Pernambuco
Coronavírus: Como fica a distribuição de merendas na rede municipal do Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco