Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Opinião
Da ostentação

Marcelo Alves Dias de Souza
Procurador Regional da República, Doutor em Direito (PhD in Law) pelo King%u2019s College London - KCL, Mestre em Direito pela PUC/SP

Publicado em: 19/02/2020 03:00 Atualizado em: 19/02/2020 09:04

O status social de uma pessoa pode advir de diversos fatores. O sucesso na profissão e a riqueza são as réguas mais utilizadas. Esse sucesso ou riqueza podem vir de muito estudo, do trabalho diuturno ou de um talento natural. Outras vezes, eles vêm simplesmente de uma riqueza herdada ou mesmo de uma fama imerecida.

Estadistas e políticos comprometidos com o bem público têm status elevado em virtude de suas realizações e pela influência na vida do seu país, embora não sejam necessariamente ricos. Cientistas, pensadores e escritores também têm alto status pelas suas contribuições para a humanidade. As estrelas do esporte, certa gente da TV e, sobretudo, os cantores sertanejos da moda têm muita riqueza e, consequentemente, status, muito embora a questão da contribuição destes para a qualidade da MPB seja deveras discutível.

Para além dessas figuras, há o rico homem de negócios (e seus familiares). É a partir desse tipo que eu vou analisar a “ostentação”, como forma de obtenção de status social. Se assim o faço é porque o economista e sociólogo americano Thorstein Veblen (1857-1929) antes de mim o fez, no final do século XIX, analisando o que ele chamou de a “classe ociosa” de então.

Conheci Veblen e a sua “A teoria da classe ociosa” (1899) por intermédio do economista John Kenneth Galbraith (1908-2006) e do seu livro “A era da incerteza” (Livraria Pioneira Editora, 1980). Galbraith registra que “The Theory of the Leisure Class tem por tema central o profundo senso de superioridade que é conferido ao rico por sua fortuna. Mas, para ser devidamente usufruída, essa superioridade tem de ser reconhecida; por conseguinte, uma grande preocupação dos ricos é a meticulosamente planificada ostentação da riqueza. Duas coisas se prestam a esse propósito – o Lazer Ostensivo e o Consumo Ostensivo. Ambos os termos, em especial o segundo deles, foram consagrados indelevelmente na língua por obra de Veblen. O Lazer Ostensivo é a distinção oferecida pelo ócio ou indolência num mundo onde quase todos precisam trabalhar, onde nada mais preocupa tanto o corpo e a mente. O rico poderia trabalhar para si mesmo. Mas ele consegue muito mais status e distinção através do ócio de suas mulheres. O Consumo Ostensivo é o consumo destinado exclusivamente a impressionar pelo custo das coisas compradas. O bom gosto não entrava na questão. Jamais, após a publicação de The Theory of the Leisure Class, pôde um rico gastar tão ostensiva, despreocupada e prazerosamente sem que alguém ridicularizasse o seu gesto como sendo Consumo Ostensivo”.

E podemos até avançar na crítica de Veblen, deixando de lado o “novo-rico” para olharmos aqueles não tão ricos assim. O fato é que as pessoas comuns são influenciadas pelo comportamento dos ricos e poderosos. Os “remediados” e até os mais pobres passam a copiar as extravagâncias da classe privilegiada, comprando e ostentando os mesmos bens de consumo, a um custo inviável para si e para a família, como se, com isso, elevassem o seu próprio status social. “Eu tenho e eu uso uma roupa ou um celular igual ao das irmãzinhas de sobrenome esquisito; sou igual a elas, portanto”, é o que estaria por trás dessa arte da imitação/ostentação.

Bom, isso de ostentar – para obter a estima e, especialmente, a inveja dos outros – não é tão novo assim. Apenas virou uma prática mais generalizada, numa sociedade em que “ser” ou “ter” se tornou bem menos relevante do que “parecer ter”. Além, claro, de que hoje se ostenta com um superlativo mau gosto.

Mais lidas

mais lidas

De 1 a 5: discos da música brasileira para ouvir na quarentena
Barrados na quarentena   o drama de quem não pode ficar em casa durante a pandemia
Resumo da semana: amor na pandemia, confinamento rastreado e mortes por Covid-19 em Pernambuco
Coronavírus: Como fica a distribuição de merendas na rede municipal do Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco