Diario de Pernambuco
Busca

Violência

Caso de mulher que teve gênero questionado e levou murro de homem em restaurante é investigado como lesão corporal

Vítima recebeu solidariedade nas redes sociais. Agressão aconteceu em restaurante no Parnamirim, no Recife

Publicado em: 25/12/2023 15:10 | Atualizado em: 26/12/2023 10:56

Os òculos da víitma foram quebrados na agressão em restaurante  (Foto: rede social)
Os òculos da víitma foram quebrados na agressão em restaurante (Foto: rede social)
O caso da cliente de um restaurante que levou um murro no rosto na saída do banheiro feminino está sendo investigado como "lesão corporal". 
 
A vítima denunciou que o homem que a agrediu teria questionado o gênero dela, insinuando que ela seria uma mulher trans. 
 
O caso aconteceu no sábado (23), no Guaiamum Gigante, no Parnamirim, na Zona Norte do Recife. 
 
Por meio de nota divulgada no domingo (24), a Polícia Civil afirmou que abriu um inquérito e que registrou o caso como "lesão corporal".
 
A vítima dise ter ficado com o olho marcado pela violência e que teve os ócuilos quebrados. 
 
Na nota, a polícia disse que a mulher de 34 anos foi agredida por um desconhecido e que ele  teria perguntado "qual o seu sexo".
 
"Ela informou que teria questionado a ele o motivo da pergunta e o autor teria nesse momento desferido um soco em seu rosto, quebrando o óculos que usava e lhe causando lesões”, afirmou a nota. 
 
Também por nota, a Polícia Militar afirmou que equipes do 11º BPM foram acionadas pela Central para a ocorrência.
 
No entanto, afirmou que, ao chegarem ao local, os policiais militares constataram que o suspeito havia saído do local. 
 
"Ao entrarem em contato (os policiais) com a vítima, a mesma relatou que não conhecia o agressor, tão pouco teria algum vínculo familiar. A vítima foi orientada a seguir até a Delegacia de Polícia para registrar a queixa-crime", esclarece a PM.
 
Informações dão conta de que pessoas ligadas á vitrma avcreditam que o restaurante permitiu a saída do agressor antes da chegada da polícia. 
 
Também pelas redes sociais, a  Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) prestou solidariedade e apoio à servidora que foi vítima da agresão.
 
No texto, a UFPE diz o nome da mulher, identificada como Leilane.
 
A manifestação foi feita por meio do Núcleo de Políticas LGBT.
 
Segundo a universidade, a mulher é negra, cisgênero e servidora pública federal há 14 anos.
 
Ela faz, segundo a instituição, mestrado no Centro de Informática (CIn).

“Informamos que entramos em contato com a servidora e disponibilizamos toda a assistência disponível”, afirmou .

A UFPE reforça que, em casos de violência contra a mulher, pode-se buscar assistência pelo 180.   


O que diz o restaurante

Por meio das redes sociais, o Guaiamum Gigante tratou o caso como “lastimável”. 
 
O estabelecimento afirmou que “não procede a alegação de que teria havido proteção a um suposto agressor por parte da segurança”.
 
O restaurante afirmou, ainda, que promoveu a “imediata retirada do agressor do ambiente”.
 
A medida foi tomada para “resguardar a integridade física e psicológica da pessoa agredida e demais clientes”.

Também no Instagram, o Guaiamum Gigante afirmou que “adotou imediatamente as providencias cabíveis para resolver a situação, inclusive acionando a força policial e dando todo suporte à vítima”

Por fim, o comunicado aponta: “Esta casa não tolera qualquer ato de violência ou discriminação contra seus clientes e se solidariza com a parte agredida”.

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL