Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Opinião
O mal invisível que vem de longe

Vladimir Souza Carvalho
Presidente do TRF5
vladimirsc@trf5.jus.br

Publicado em: 21/03/2020 03:00 Atualizado em: 21/03/2020 07:13

No início, o perigo vinha do céu. Tempo da segunda guerra. À noite, escuridão total nas cidades, para se precaver de bombardeios dos alemães. Nenhum sinal de luz poderia aparecer. A vigilância policial atenta. A escuridão, geral. Para se acender uma lâmpada, necessário que ocorresse em local fechado, para não deixar a cauda de fora. Muito ouvi essa ladainha. Mas, sou do tempo em que o perigo saia da sujeira dos galinheiros, o mosquito danado provocando um enjoo miserável, batizado pela alcunha de dengue, que tive, os olhos virando, a parte do branco desaparecendo, um suor a dar a impressão de que a pessoa tinha saído do banho sem se enxugar. Me tornei vítima e fui para a cama, fraqueza no corpo inteiro, apetite abaixo de zero. Sobrevivi.

Agora vem da boca, do contato, da secreção, passageiro de avião, a pegar em um e contaminar centenas, e, assim, sucessivamente, invadindo países e continentes, sem precisar de passaporte nem de comprar passagem, nem de reserva de hotel, escondido no passageiro, que se torna o elemento a difundi-lo, as estatísticas diuturnamente a exibir novos números, entre os afetados e os suspeitos, as medidas sendo tomadas, o homem, finalmente, descobrindo que o lugar mais seguro é a sua casa. Não é a bomba alemã que faz medo, não é o galinheiro que exibe sujeira. O mal evoluiu. Ficou invisível. No momento, pelo que já foi divulgado, só não gosta do calor forte, o que significa, por outro lado, que não veio do inferno.

Estamos, suspeitos, confirmados e assustados, no mesmo barco, torcendo e rezando, para que o mau fique bem longe, não dê as caras, vá embora, usufruir de boas e eternas férias em desertos de muito calor, e, se possível, em outros planetas, já indo tarde, não precisando nem apagar a luz do aeroporto, muito menos de abraços de despedidas. Por ora, ouvido no rádio, olho nas mensagens que nos chegam, conselhos de solidão que devem ser acatados, higiene total, a começar pelas mãos, nada de reunião, de aglomerados, de ambiente apertado. Ufa! Mais cedo ou mais tarde, passa. Aí tudo volta a ser alegre, vestindo azul para a sorte mudar. Enquanto isso, um amigo, que sempre viveu afundado no pessimismo, concorda comigo. Então, num riso largo, sentencia: quem sobreviver, conta a história. Cruz credo! Dei o diálogo por encerrado. 

Mais lidas

mais lidas

Barrados na quarentena   o drama de quem não pode ficar em casa durante a pandemia
Resumo da semana: amor na pandemia, confinamento rastreado e mortes por Covid-19 em Pernambuco
Coronavírus: Como fica a distribuição de merendas na rede municipal do Recife
#FicaemcasacomODiario: Igor de Carvalho
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco