Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Local

Beira Mar

Palhoças de comerciantes são demolidas na orla de Olinda

Donos dos quiosques afirmam que não houve aviso prévio e alegam que não tiveram acesso ao mandado

Publicado em: 09/01/2019 23:47 | Atualizado em: 10/01/2019 14:42

Foto: Camila Pifano/Esp.DP
Comerciantes que trabalham na orla de Olinda foram surpreendidos, na noite desta quarta-feira (9), com uma ação da prefeitura da cidade, que retirou as palhoças da beira-mar. Eles afirmam que não houve aviso prévio para tal medida e alegam que não tiveram acesso ao mandado para derrubar os quiosques. 

"Eu trabalho aqui há oito anos e nunca vi o que estão fazendo agora. Não tem papel, não tem nada. Só estão dizendo que têm o mandado. Com a polícia aqui, a gente não pode fazer nada", desabafou Aguinaldo dos Santos Alves, 24 anos, que trabalha em uma das palhoças. "Até agora não deram explicação alguma. A gente não sabe de nada. Só sei que estão derrubando as palhoças e deixando os trabalhadores sem trabalho", completou ele. 

Ao todo, são 10 quiosques na orla de Olinda. Apenas dois foram derrubados. Marcele Melo, 23, afirma que soube que a palhoça que o pai mantém no local há 38 anos estava sendo derrubada através de uma ligação de um conhecido que presenciou a cena. "Quando a gente chegou, a barraca já estava abaixo", afirma a jovem, que conta, ainda, que a sua mercadoria foi levada por um caminhão. 

Marcele reforça que a prefeitura não avisou que iria demolir os quiosques."Antes do final do ano, (funcionários da prefeitura de Olinda) vieram aqui (pedindo) para a gente comparecer lá, mas que iam tirar barraca, não avisaram à gente, não", disse ela. "A gente não viu ordem judicial nem nada", completou a jovem. 

A equipe do Diario tentou um posicionamento dos funcionários que realizavam a demolição das palhoças, mas ninguém quis falar com a reportagem. Eles estavam com um fardamento escrito "Busca e apreensão" da prefeitura de Olinda.

A prefeitura de Olinda afirmou que as atividades de duas barracas foram encerradas por motivos de ilegalidade, perturbação da ordem e do sossego.

Confira nota na íntegra:
A Prefeitura de Olinda, por meio da Secretaria-executiva de Controle Urbano, esclarece que a ação de fiscalização realizada na orla da cidade, na última quarta-feira (9), encerrou as atividades de duas barracas (palhoças) por motivos de ilegalidade, perturbação da ordem e do sossego. As barracas atuavam irregularmente na faixa de areia, sem qualquer concessão para a operação no local, sem controle do lixo e infringindo a legislação. Os estabelecimentos, de natureza clandestina, já haviam sido notificados previamente, por duas vezes, mas não apresentaram documentação válida e nem atenderam às recomendações para adequação. Motivada por dezenas de denúncias de moradores e frequentadores da área, a Prefeitura já havia apreendido dois aparelhos de som. Os responsáveis também foram advertidos, para se dirigirem até a sede do órgão para a regularização, mas também não atenderam a essa recomendação. Por se tratar de uma via de grande fluxo e para evitar aglomerações e prejuízos à fluidez do trânsito, comércio e circulação de pedestres, ação aconteceu no período noturno. A Prefeitura de Olinda ressalta a natureza pacífica da operação, acompanhada de perto pela comunidade, que já havia registrado uma série de denúncias aos órgãos de controle, sempre apontando os diversos transtornos gerados pelos referidos estabelecimentos.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Maria, mãe de um povo ferido
Confira a estreia do programa In set
Educação humanizadora e não violência nas escolas
João e os 50 anos de colunismo social
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco