Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

Prefeitura do Paulista acusa gestão passada de usar indevidamente recursos do Fundef

Publicado em: 03/06/2021 22:09 | Atualizado em: 03/06/2021 22:23

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação

A Prefeitura da Cidade do Paulista, através da Secretaria de Educação,  denunciou aplicação indevida dos recursos precatórios do extinto Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização dos Profissionais do Magistério (Fundef) pela gestão do ex-prefeito da cidade, Júnior Matuto (PSB). De acordo com informações da prefeitura, dos R$ 80.943.046,19 depositados na conta do Fundef, em julho de 2020, R$ 56.655.341 foram gastos, sendo alguns recursos utilizados de forma indevida, como R$ 16 milhões que foram destinados a pagamentos de honorários advocatícios.

 

Implantado em 1996, o Fundef repassava, mensalmente, verbas para estados e municípios voltados para pagamentos de profissionais da educação e infraestrutura das escolas. Com os erros cometidos pela União no repasse desse orçamento, referente ao período de 1998 a 2006, vários estados e municípios reivindicaram a correção na entrega do dinheiro. Buscando corrigir os impasses, o Supremo Tribunal Federal (STF), em 2017, decidiu que os valores repassados (precatórios do Fundef), fossem totalmente destinados à educação.

Segundo informações do sub-procurador da cidade do Paulista, Khalil Gibran, o município recebeu em julho de 2020 um total de  R$ 80.943.046,19, referentes aos precatórios da Fundef. Do total recebido, R$ 56.655.341 foram gastos pela gestão passada, sendo alguns valores de forma indevida, incluindo honorários advocatícios.

 

Informação rebatida pelo ex-secretário de Relações Jurídicas do município Fabiano Mendonça, que informou que o valor repassado correspondia a duas partes, uma principal (voltada exclusivamente para a educação) e outra de juros processuais, que podiam ser aplicados no Tesouro municipal, que serviram para pagar os trabalhos jurídicos. "Esses juros, conforme o entendimento, à época, do Tribunal de Contas da União (TCU), passariam a ser integralizados ao Tesouro municipal", explicou. "As informações relacionadas à denúncia não procedem. O Tribunal Regional Federal da nossa região considerou o contrato do escritório de advocacia como juridicamente perfeito”.

 

Mas, de acordo com Khalil, essa é uma "premissa totalmente equivocada". De acordo com o sub-procurador, "se você tem um prejuízo, o que você tiver de juros é para recompor os danos, então essa é uma saída jurídica que eles encontraram que não procede. O acessório acompanha o principal, qual é o principal? o valor todo. Então, se o acessório acompanha o principal, o juros também compõe", não podendo ter sido usados os valores referentes aos juros em outro campo, que não a educação. Khalil Gibran também contou que houve um percentual gasto pela gestão anterior com folha de pagamento de professores, procedimento que não poderia ter sido feito, já que o precatório do Fundef deve ser voltado exclusivamente para manutenção e desenvolvimento do ensino.

 

A informação foi negada pelo ex-secretário de Educação, Carlos Júnior. “O Sindicato dos Professores (de Paulista) entrou com uma ação no Tribunal de Contas para poder bloquear o dinheiro, bloquearam, mas o Tribunal de Contas deu um parecer recentemente e fez uma reunião remota e chancelou que não é pra fazer rateio”,  frisou o ex-secretário que concluiu afirmado não ter havido gasto indevido da prefeitura em 2020.

 

Em nota, a atual gestão da Secretaria de Educação do Paulista, chefiada por Jaqueline Moreira, declarou que o Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE)  fará uma Tomada de Contas Especial nas despesas da gestão passada e que, agora, é necessário aguardar o final da auditoria que está em curso no TCE  para assim esclarecer se foram cometidas irregularidades. 

 

 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Para evitar contaminação por Covid, robôs oferecem água benta em Meca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco