Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Ciência e Saúde
Ciência Anticorpo que protege contra o vírus da dengue também combate o zika Estudo foi realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, nos Estados Unidos

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 26/09/2017 08:45 Atualizado em:

Reprodução/Correio Braziliense (Reprodução/Correio Braziliense)
Reprodução/Correio Braziliense
Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington em St. Louis mostrou que um anticorpo que protege contra o vírus da dengue também é efetivo no combate ao zika. O resultado do experimento, feito em ratos, foi publicado na edição de ontem da revista Nature Immunology. Anticorpos são defesas naturais produzidas pelo organismo quando em contato com agentes externos ameaçadores, como vírus e bactérias. Eles permanecem na corrente sanguínea por algumas semanas; por isso, uma ou poucas doses de medicamentos baseados nessas substâncias ao longo da gravidez teriam o potencial de proteger o feto e a mãe contra o zika. Além do zika, a gestante ficaria imune à dengue.

Como dengue e zika são vírus semelhantes, os pesquisadores, liderados por Michael S. Diamond, levantaram a hipótese de que um anticorpo que previne uma doença poderia fazer o mesmo quanto a outra. Para testar essa ideia, infectaram fêmeas de rato adultas com o zika e, então, administraram anticorpos da dengue um, três e cinco dias depois. Para comparação, outro grupo de ratos infectados com o zika recebeu apenas placebo. Dentro de três semanas, mais de 80% dos animais não tratados morreram, enquanto que todos os imunizados três dias após a contaminação continuaram vivos. O índice de sobrevivência dos ratos que receberam o anticorpo cinco dias depois de infectados foi de 40%.

Para saber qual anticorpo protegeria também os fetos, os pesquisadores contaminaram fêmeas no sexto dia de gestação com o zika e, então, administraram uma dose de anticorpo ou de placebo um e três dias depois. No 13º dia, a quantidade de material genético do vírus foi 600 mil vezes menor nas placentas e 4,9 mil vezes menor nas cabeças dos fetos das cobaias tratadas um dia depois da infecção, comparada à do grupo placebo. Contudo, administrar o anticorpo três dias depois do contágio foi menos efetivo: essa prática reduziu a quantidade de material viral em 19 vezes (feto) e 23 vezes (gestantes).

Limitações

Os resultados sugerem que, para o anticorpo proteger o feto efetivamente, deve ser administrado logo após a infecção. Porém, isso não é algo realista, visto que as mulheres não têm como saber quando foram picadas pelo mosquito contaminado. Por outro lado, imunizá-las assim que descobrem que estão grávidas poderia ser uma boa estratégia de defesa contra o vírus, alegam os pesquisadores.
 
De acordo com Diamond, a chave para usar o anticorpo como medida preventiva seria ter certeza que os níveis da substância na corrente sanguínea da mulher permaneceriam altos o suficiente para proteger o feto ao longo de toda a gestação. Por isso, a equipe trabalha, agora, para fazer essa identificação. Os cientistas também estão explorando formas de prolongar a meia-vida do anticorpo no sangue, o que reduziria a quantidade de vezes necessárias em que a mulher precisaria usá-lo.


Entenda os riscos da escoliose para saúde
Primeira Pessoa com Bione
Sobre Vidas: Nivia e o empoderamento de mulheres no Coque
DP Auto na Tóquio Motor Show - Tudo sobre a Nissan

Resistência nordestina em cartaz

Diego Rocha *
Celebrando a resistência da arte nordestina e a arte nordestina de resistir, o 21º Festival Recife do Teatro Nacional está em cartaz na cidade para confirmar a vocação de um povo à resiliência e à criatividade. Até o próximo dia 24, a programação montada com muita assertividade pela Prefeitura do Recife irá apresentar 12 espetáculos em vários teatros da cidade, entre eles seis montagens nacionais jamais vistas na capital do Nordeste.
Mas não está toda no ineditismo a urgência que esses espetáculos carregam. Mas também e principalmente na referência e reverência que muitos fazem à estética e às temáticas fincadas no árido solo fértil do Nordeste. Alguns textos, como o da montagem Ariano %u2013 O Cavaleiro Sertanejo, da companhia carioca Os Ciclomáticos sequer foram produzidos no Nordeste. Mas sabem, bebem e comungam do povo que somos. Foram buscar inspiração em autores ensolarados como Ariano Suassuna e os tantos tipos e símbolos que ele fundou e transportou do imaginário nordestino para o mundo.
Há na programação citações ainda mais explícitas à nossa produção teatral. Parido do punho do próprio Ariano, em carne e pena, o clássico Auto da Compadecida chega ao Festival com sotaque mineiro, numa belíssima montagem do Grupo Maria Cutia, com a direção cênica precisa e sensível de Gabriel Villela, que conseguiu unir a cultura do cangaço pernambucano ao barroco mineiro, sem sair da trilha aberta pelo Movimento Armorial de Ariano.
São montagens que nos representam e, ao mesmo tempo, nos apresentam a nós mesmos, além de nos hastear bandeira a congregar territórios artísticos, afetivos e cívicos, num país assombrado e repartido por um projeto de poder excludente. Em cima e embaixo dos palcos, durante e depois do 21º Festival Recife do Teatro Nacional, que a arte e a força nordestina persistam farol aceso a nos guiar.

* Presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife

Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco