A memória do Memorial Arcoverde

Renato Lopes Valença
Sociólogo, advogado e conselheiro da OAB-PE, subseção de Paulista

Publicado em: 31/07/2019 03:00 Atualizado em: 31/07/2019 09:52

Bem que o Parque Memorial Arcoverde, que fica localizado entre as cidades do Recife e Olinda, poderia ser um cartão postal daquelas cidades e muito mais, ser uma recanto de lazer e entretenimento útil à população, sobretudo, da zona norte. Com uma área de 80 hectares, o Memorial Arcoverde foi inaugurado no ano de 1994 na gestão do então governador Joaquim Francisco, cujo objetivo de uso nunca foi alcançado plenamente, pois, não só vale as boas intenções e sim a concretização delas, o que infelizmente não aconteceu com o Memorial Arcoverde.

É de se lamentar que passados 25 anos de sua inauguração, o Parque continue abandonado, sem dar condições físicas e de segurança à população de utilizá-lo para os fins que foi projetado. O dinheiro público ali investido, que corresponde a uma boa soma, foi muito mal utilizado, pois os equipamentos instalados no Parque não tiveram a devida manutenção, ficaram ao relento e, assim, se deterioraram e enferrujaram; as quadras esportivas com pisos esburacados e os campos de futebol só os identificamos por causa das traves existentes. Bastava as autoridades governamentais espelharem-se no funcionamento do tradicional Parque da Jaqueira, lugar público cujo espaço é muito bem utilizado pela população e que se tornou um local aprazível e seguro. 

É simplesmente um absurdo ver uma área daquela jogada às traças. Ressalve-se, entretanto, a exceção que é a instalação e o funcionamento do Espaço Ciência, encravado numa área de 12 hectares, pois é o inverso do que acontece com a área remanescente do Memorial Arcoverde. Tanto o governo do Estado como a cidade de Olinda deveriam ter consciência da importância que aquela área possui para utilização da população, principalmente, nos dias de hoje, onde os espaços públicos destinados à prática de esportes e lazer se tornam cada vez mais escassos.

O Memorial Arcoverde, uma vez por ano, isto é, durante os dias de Carnaval, é cedido a particulares para promoções de shows de cantores com cobrança bem remunerada de ingressos. Antes, servia de estacionamento de veículos dos foliões que iam brincar nas ladeiras de Olinda. Será que isso é o bastante? Realmente, o Parque Memorial Arcoverde só está em nossa memória como um espaço vazio e abandonado.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.