Tendências do mercado animal

Publicado em: 22/08/2018 03:00 Atualizado em: 22/08/2018 10:05

Os comerciantes são muito astutos em observarem as tendências do mercado e isto é salutar a fim de dinamizar a economia, especialmente num período de crise financeira como este que se vem passando no Brasil da atualidade, com o desemprego campeando em todas as áreas. Vale, então, aproveitar isso com criatividade.

Recente pesquisa mostrou que está na faixa de 52,2 milhões de cães e 22 milhões de gatos o número de animais de estimação no país. É muito.

Antes os cachorros e gatos viviam soltos pelas ruas das cidades interioranas comendo aqui e ali, sem nenhuma preocupação, como donos do mundo. Ninguém maltratava, mas também não havia nenhum luxo para com eles. Não podiam entrar em casa, ficavam nos quintais. A alimentação era os restos dos pratos das famílias. Os cuidados eram poucos. Hoje essas espécies estão na vida boa em todos os aspectos. Uma mudança de hábitos que fez surgir uma fatia do mercado a ser explorada.

Diante dos dados, as empresas dos polos gastronômicos, tanto na capital como no interior do estado, partiram na frente utilizando a criatividade para conquistar e fidelizar a clientela amante dos animais domésticos com atrativos em suas lojas que possa atraí-la com seus acompanhantes e poder dizer um: “Seja-bem vindo a todos!”

Para isso os restaurantes estão alterando a estrutura física de seus ambientes e dedicando espaços específicos para a acolhida de pequenos animais que seus donos fazem questão de levar às refeições fora de casa, junto a si; o que a cada dia fica mais natural em nossa sociedade. Não se limitando apenas a restaurantes, que é o caso em foco, mas em vários segmentos tendo como público alvo: animais domésticos.

Uns colocam um tipo de “berçário” com coleiras e brinquedos próprios, deixando confortável e acolhedor tais locais de espera dos “bichinhos”, enquanto as pessoas fazem refeições sossegadas, porém ligadas aos tais, pois muita gente não tem com quem deixá-los em casa e prefere levá-los aonde for e, encontrando estabelecimentos preparados para tais fins,  fica freguês. Outros até oferecem também comidas extras aos mesmos, o que facilita a vida dos proprietários que os consideram como membros da família, fazendo-lhes todos os mimos.

Os veterinários são consultados e tiram as dúvidas na forma como tratar os bichos de estimação, a higienização, os produtos que devem ser usados nos banhos, vacinas, alimentação, etc. porque eles necessitam de cuidados especiais e caros, que podem ser feitos em casa ou por profissionais nas chamadas pet shops com equipes qualificadas num ambiente confortável.

Quando viajam, certos donos querem passagem em aviões para os felizardos ou hotelzinho (como para as crianças) acolhendo da melhor maneira se não puderem acompanhá-los no percurso. Haja mordomia e gastos. O mais luxuoso hotel para cachorros do mundo fica no Texas, em Fort Wort, onde se oferecem regalias como tratamento de beleza, etc.

Não tem para onde fugir porque a tendência é exatamente esse costume, o que há bem pouco tempo animais não eram aceitos nem nos condomínios de edifícios residenciais. Mas, atualmente, o criatório de animaizinhos bonitinhos e fofinhos se expandiu demais, sendo até mesmo aconselhado para idosos e crianças como terapia. Assim, cresceu a adesão aos amigos de quatro patas que têm vida de fidalgos, veterinário e todas as mordomias.

O Paço Alfândega, no Recife, se adapta às novidades para receber animais domésticos de estimação. Os bichinhos poderão passear pelo shopping com coleira.

Recentemente um evento inusitado lotou a Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata, onde foi inaugurado o espaço: Parcão, dedicado aos animais domésticos. No local, com área de 500m, eles podem brincar à vontade na estrutura fixa da Praça Sul que virou atração para o público proprietário. Lá funcionará também o Projeto: Cães Doutores, treinando-os a trabalharem com pacientes e auxiliando nos hospitais e centros de reabilitações (Terapia Assistida por Animais em Pernambuco). Também parques exclusivos para cachorro têm vez e no Recife já são três: Parque Dona Lindu, Parque Santana e na Praça Souto Filho. E a ONG Socorro Animal lançou o castromóvel, ônibus adaptado para funcionar como clínica veterinária.

A fábrica de veículos Nissan criou um carro feito especialmente para levar cachorros. É personalizado, com casinha, recipiente com água e até uma rampa e secador para o mascote não entrar molhado. Uma câmera e sistema de som instalado permite interação entre o dono e seu cão.

Embora exista quem não os tolerem a grande maioria vence a eleição em quaisquer democracias do mundo. E salve os orelhudos!

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.