Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

DERMATOLOGIA

Manchas brancas na pele? Você pode ter pitiríase versicolor

Publicado em: 17/05/2022 20:34

 (Foto: Arquivo Pessoal)
Foto: Arquivo Pessoal
Você já reparou alguma manchinha branca na pele e ficou com medo de ser vitiligo? Na verdade, pode ser a chamada pitiríase versicolor. Existem vários tipos de doenças de pele que podem se manifestar de diferentes formas. Os sintomas variam de coceira, à vermelhidão, bolinhas, acne, entre outros. "Porém, quando falamos em manchas brancas, logo pensamos em tipos específicos de doenças cutâneas", aponta a dermatologista Daniela Antelo, membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologista (SBD), à frente do Centro de Tratamento do Vitiligo, no Rio de Janeiro.

Daniela Antelo, que trata e estuda vitiligo desde 2003, com doutorado sobre fototerapia e vitiligo, na UFRJ, e membro titular American Academy of Dermatology (AAD), associada a Global Vitiligo Foundation, explica que a pitiríase versicolor, popularmente conhecida como 'pano branco', é um tipo de micose caracterizada pelo aparecimento de manchas brancas na pele. No entanto, suas condições se diferem do vitiligo.

A dermatologista destaca que a pitiríase versicolor é uma infecção por um fungo na camada mais superficial da pele, chamado Malassezia sp. "Como o próprio nome científico diz, ela se apresenta com diferentes cores, sendo a branca a mais comum, com suaves escamas, mas também pode ser escura ou avermelhada. Não costuma coçar e pode se espalhar pelas áreas seborreicas ou 'oleosas', como rosto, costas e colo. Já o vitiligo é uma condição causada pela falta de melanina em algumas regiões do corpo, resultando em manchas esbranquiçadas em diferentes partes", explica a especialista. 

É comum que o 'pano branco' surja no verão, já que a pele costuma ficar mais oleosa e com o uso de filtros solares e cremes gordurosos, associados à umidade, criam o ambiente propício para a proliferação do fungo.
 
 (Foto: Arquivo Pessoal)
Foto: Arquivo Pessoal
 
 
No entanto, assim como o vitiligo, a pitiríase versicolor não tem cura, mas tem tratamento. A médica orienta o uso de produtos antifúngicos em spray, e shampoos, já que o fungo pode estar presente de forma imperceptível no couro cabeludo, e sabonetes específicos.

Vale ressaltar que existem diferentes diagnósticos para manchas claras, como vitiligo, hanseníase, pitiríase versicolor, nevo acrômico e líquen escleroso, por exemplo: "O exame dermatológico e, em alguns casos, a biópsia com exame histopatológico são fundamentais para o diagnóstico correto", afirma Daniela Antelo.

Daniela Antelo avisa que é indicado procurar o dermatologista quando o local coçar, arder, se as machas crescerem ou causarem feridas, já que existe o risco de vir a ser um diagnóstico de câncer de pele. "Sempre que surgirem manchas que não existiam antes, procure seu médico. No mais, não deixe de fazer um check-up preventivo dermatológico anual."
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Última Volta: GP da Grã Bretanha de F1 2022
Toalhas de Lula e Bolsonaro movimentam o comércio e dão o tom das eleições
Desemprego cai a 9,8% entre março e maio no Brasil
Grupo Diario de Pernambuco