Diario de Pernambuco
Busca

DESPEDIDA

Sob aplausos e brega funk, MC Elloco é sepultado no Recife

Parentes, amigos e fãs se despediram do artista nesta sexta-feira (22)

Publicado em: 22/03/2024 11:21 | Atualizado em: 22/03/2024 13:11

Bandeira de Shevchenko e Elloco no sepultamento de Elloco  (Marina Torres/DP Foto)
Bandeira de Shevchenko e Elloco no sepultamento de Elloco (Marina Torres/DP Foto)
 

Num clima de muita tristeza, parentes, amigos e fãs se despediram do MC Elloco nesta sexta-feira (22). O sepultamento do cantor, pioneiro do brega funk, aconteceu no Cemitério de Santo Amaro, na área central do Recife.

 

O carro transportando o corpo do artista entrou no cemitério ao som de músicas da dupla Shevchenko e Elloco, aplausos e gritos de "Elloco".  

 

Presente na cerimônia, o jornalista e produtor cultural Antonio Gutierrez, criador do Festival Rec-Beat, exaltou a importância da dupla formada por Elloco e Shevchenko para o brega funk.

Gutie é produtor cultural e foi quem abriu o palco do rec beat para o movimento Brega Funk em 2018 (Foto: Marina Torres/DP Foto)
Gutie é produtor cultural e foi quem abriu o palco do rec beat para o movimento Brega Funk em 2018 (Foto: Marina Torres/DP Foto)
 

"É uma perda irreparável. Eles são o brega funk que eles fazem. Acho que depois do Manguebeat é o movimento mais importante que acontece aqui. O Rec-Beat primeiro palco a abrir para o brega funk, lá em 2018. E foi uma honra receber Shevchenko e Elloco", disse.

 

O tio de Elloco, João Mendes, também lamentou a perda. "Vai fazer muita falta. Coração bom, um menino muito bom. E tirou muito menino da favela, que tava nas drogas, para dançar com ele", afirmou.

 

O MC Leozinho, que faz parte do movimento brega funk também estava presente na cerimônia e falou sobre o falecimento de Elloco.

MC Leozinho esteve no cemitério de Santo Amaro para se despedir do amigo (Foto: Marina Torres/DP Foto)
MC Leozinho esteve no cemitério de Santo Amaro para se despedir do amigo (Foto: Marina Torres/DP Foto)
 

"Ele era um cara que era ícone do brega funk, do passinho e era um dos pioneiros também, juntamente comigo e várias pessoas. Então é um cara que sempre será lembrado, sempre será reconhecido, tanto pela gente quanto pelos fãs, pelo povo. E o trabalho vai continuar, independente, a gente vai representar ele sempre" disse MC Leozinho.  

 

O irmão de Elloco, Carlos José da Silva Júnior  de 33 anos estava acompanhado da mãe e, muito emocionado também falou sobre a trajetória do irmão.

 

Júnior era o único irmão de Elloco e estava muito emocionado com a morte do irmão (Foto: Marina Torres/DP Foto)
Júnior era o único irmão de Elloco e estava muito emocionado com a morte do irmão (Foto: Marina Torres/DP Foto)

"Cleiton, era meu único irmão, só éramos nós dois, desde criança. Isso que ele representou até hoje, não é de agora. É uma construção de uma vida inteira. Desde criança, na escola, já gostava de se apresentar. Sempre foi muito extrovertido, sempre muito feliz e muito carinhoso. Um doce, um filho maravilhoso, um irmão de todo o momento. Nos poucos tempos que a gente tinha, a gente se unia pra tudo. Ele foi um grande irmão, um grande filho, um grande pai, marido", finalizou o irmão do MC.

 

Morte de MC Elloco 

 

Nascido Cleiton José Silva, Elloco tinha 34 anos foi um dos artistas a forjar o brega funk, ritmo que ultrapassou os limites das periferias recifenses e foi abraçado por todo o país.

 

Em uma carreira que começou nos moldes do funk carioca, Elloco se encontrou em 2009, após formar a dupla com Shevchenko e abraçar o brega, ritmo já popular por décadas no Recife. A mistura levou produtores e outros MC's a investirem nessa mistura, que iria virar sucesso pouco depois.

 

"De lá pra cá, esse gênero se transformou bastante, mas é impressionante como Schevchenko e Elloco não só acompanharam essas mudanças, como foram determinantes para que boa parte delas acontecessem", afirma Camila Estaphania, jornalista e pesquisadora de música.

 

Segundo Camila, Elloco, assim como outros artistas do gênero, foi responsável por presentear o estado com uma renovação não só musical, mas cultural. "Nessa nova sonoridade, as coreografias do ''Passinho'' se encaixava perfeitamente e foi sendo mais desenvolvida. A própria dupla passou a incentivar vários garotos a dançarem em grupos e também nos shows da dupla. O efeito disso foi uma dança e uma música com traços específicos muito fortes, uma assinatura pernambucana própria que conquistou todo o Brasil".

 

"A dupla não só ajudou a sedimentar o brega funk, como também deu para Pernambuco um nova identidade musical que é original, jovem, moderna e cosmopolita", finaliza Camila.

 

O reconhecimento nacional não demorou, tanto que em 2013, Shevchenko e Elloco foram convidados ao ''Esquenta'', programa da TV Globo apresentado por Regina Casé. "No brega do Recife, a turma fala muito de novinha. Quando a gente entrou, para poder fazer sucesso, a gente diferenciou: falamos da comunidade e do que a gente gosta de usar", disse o MC Shevchenko durante a participação da dupla.

 

Repercussão

 

MC Shevchenko se pronunciou nas redes sociais após a notícia da morte do artista. "Foram 18 anos de amizade. Deus abençoou, irmão, você se foi. A favela vai lembrar das nossas ações", escreveu.

 

O prefeito do Recife, João Campos, também homenagem Elloco pelas redes sociais. "Triste demais com a partida repentina desse cara que foi essencial para o brega funk. Força para a família e amigos, e que Deus conforte os seus corações", afirmou o gestor.

 

O Governo de Pernambuco emitiu nota lamentando o falecimento do MC, afirmando que: "Cleiton foi responsável, junto com seu parceiro de trabalho Shevchenko, por levar o ritmo do Brega Funk para todo o Brasil. Por conta de sua contribuição, o gênero musical e o movimento de dança do passinho entraram para história da música pernambucana". 

 

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL