Diario de Pernambuco
Busca

FALECIMENTO

Morre, aos 89 anos, Dona Glorinha do Coco

Artista olindense estava internada com insuficiência respiratória no Hospital Tricentenário há seis dias, deixou sete filhos, além de netos, bisnetos e tataranetos

Publicado em: 30/03/2024 08:43

Dona Glorinha do Coco (Foto: Jan Ribeiro/ Secult PE - Fundarpe)
Dona Glorinha do Coco (Foto: Jan Ribeiro/ Secult PE - Fundarpe)
Morreu, aos 89 anos, nesta sexta-feira (29/03), Dona Glorinha do Coco. A artista olindense, que estava internada com insuficiência respiratória no Hospital Tricentenário há seis dias, deixou sete filhos, além de netos, bisnetos e tataranetos.

O anúncio do falecimento foi feito no perfil oficial da Mestre do Coco no Instagram. “É com pesar no coração que comunicamos o falecimento de Dona Glorinha do Coco. Ela,estava internada no Tricentenário, no finalzinho de sua vida. Partiu em paz, com a família a seu lado, segurando a mãozinha delicada e já sem forças, da nossa Mestra tão amada! Que os Orixás iluminem sua partida, que os céus se abram em acolhimento profundo! Dona Glorinha do Coco nunca será esquecida! Amor, amor, amor, amor....”

Também através das redes sociais, a Prefeitura de Olinda lamentou a morte da artista e declarou luto oficial por três dias. “Seu legado permanecerá vivo, preservando a história de Olinda e de nossa gente. Neste momento de dor e luto, expressamos nossas mais sinceras condolências à família, amigos e a todos os fãs dessa grande artista que fez história de Amaro Branco para todo o mundo”.

O falecimento de Dona Glorinha também foi lamentando pela Secretaria de Cultura de Pernambuco. “É com imensa consternação e corações repletos de emoção que a Secretaria Estadual de Cultura e Fundarpe, em nome do Governo de Pernambuco, lamentam o falecimento de Dona Glorinha do Coco. A ilustre Dama do Coco de Amaro Branco, em Olinda, será lembrada como símbolo da alegria e resistência da cultura popular em Pernambuco. Grande matriarca do ritmo, Glorinha era a coquista mais antiga de sua comunidade e cumpria com louvor a missão de perpetuar e salvaguardar essa tradição ancestral. Tamanha a sua relevância que Dona Glorinha do Coco foi contemplada com o II Prêmio Ariano Suassuna de Cultura Popular e Dramaturgia, realizado pela Secult-PE em 2017. O legado de suas rodas de coco, sambadas, e Acorda Povo - especialmente no Ciclo Junino que de aproxima - não serão esquecidos. Nos solidarizamos com a perda e a dor de todos os amigos, familiares e admiradores”.

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL