Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

CRÍTICA

Em 'Lightyear', que estreia nesta quinta (16), Pixar aposta na familiaridade em detrimento da imaginação

Publicado em: 16/06/2022 17:02 | Atualizado em: 17/06/2022 14:26

 (Imagem: Disney/Divulgação.)
Imagem: Disney/Divulgação.
Nunca é tarde para lembrar que o pomposo catálogo de mais de 25 longas animados Pixar - empresa subsidiária da Disney desde 2006 - teve início com o lançamento de Toy Story (1995). O filme de John Lasseter foi simultaneamente uma revolução na animação 3D e o trabalho que estabeleceu o nome do seu realizador como uma das vozes mais influentes do período. Ao longo das décadas, a Pixar passou a desenvolver um artesanato das suas experimentações do início, e sua junção com a Disney rendeu trabalhos com gráficos invariavelmente virtuosos e enredos gradativamente mais ligados às agendas temáticas.

Os últimos lançamentos, no entanto, têm tido intervalo menor entre si a cada ano; obedecem como nunca a lógica de franquia - dos últimos dez, cinco são derivados - e parecem se preocupar menos com a inovação no equilíbrio entre forma e conteúdo e mais com a inofensibilidade. Enquanto Divertida mente (2015), Viva: A vida é uma festa (2017) e Soul (2020) são exceções a essa fase do estúdio, Lightyear, pelo bem e pelo mal, é regra.

Com direção e roteiro de Angus MacLane, em seu primeiro trabalho como realizador-solo, o filme que estreia hoje nos cinemas é baseado no icônico boneco Buzz Lightyear, dos quatro longas de Toy Story. Enquanto no longa de 1995 o personagem não tinha ideia de que era apenas um brinquedo licenciado e acreditava ser um patrulheiro espacial de verdade, Lightyear se supõe ser o filme que, dentro da realidade da obra original, levou o menino Andy a comprar o boneco.

Nesta trama, o de fato patrulheiro espacial está numa aventura com sua tripulação, que acaba presa em um planeta hostil após a destruição de uma força vital da nave. Obstinado a cumprir sua missão, Buzz passa anos fazendo viagens interestelares em busca de atingir a velocidade necessária para tirar seus amigos daquele planeta - um esforço que acaba lhe custando assistir década após década a todos ao seu redor envelhecendo.

A 'EFICIÊNCIA' PIXAR 
Lightyear conta com a galeria de coadjuvantes simpáticos e agradáveis de praxe (o animal fofo e engraçado da vez se destaca) e tem a vantagem de trabalhar com a demanda por representatividade de modo absolutamente natural, sem menção ou alarde. Também é habitual a Pixar encontrar momento-chave que toque em sentimentos mais verdadeiros e, ainda que a complexidade emocional de um trabalho como Up: Altas aventuras esteja ao infinito e além de distância, o primeiro ato do filme encontra forma eficiente de, em poucos minutos, lidar com a nada simples questão do peso da passagem dos anos.

Apesar de o universo ser de ficção dentro da ficção, a animação em si é ironicamente mais realista nas formas e na ação do que em qualquer um dos originais - o que demonstra bem a evolução da computação gráfica desde o primeiro da franquia, mas deixa Lightyear visualmente padronizado, pasteurizado e, francamente, algo burocrático. O acertado descompromisso com cronologia o torna acessível para qualquer espectador, afinal não é necessário assistir a nenhum dos quatro Toy Story para entendê-lo, mas o diretor-roteirista aproveita pouco as oportunidades de encher os olhos da plateia com a ambientação daquele planeta. A trilha sonora, por exemplo, tão marcante nos clássicos da Pixar, parece ter saído diretamente de um banco de dados de Star Wars.

O foco cai na segura ideia de trabalho em equipe - até oportuna no caso de um personagem individualista como Buzz - e em pontuais referências nostálgicas. Felizmente, ainda que longe da originalidade, Lightyear tem autonomia suficiente para não depender dessa bagagem prévia da audiência. Na busca pela eficiência em detrimento da ousadia, a Pixar, que explorou no passado as suas premissas inusitadas com inconfundível iconografia, segue o caminho funcional do divertimento instantâneo, mas que não aponta para o infinito e além da criatividade. Essa, até segunda ordem, se perdeu no tempo.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Suspeito de ataque a tiros com seis mortos é detido nos EUA
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Planta gigante, prima da vitória-régia, é descoberta em Londres
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Grupo Diario de Pernambuco