Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

SAÚDE

Nistagmo: entenda o que é a condição do integrante do Black Eyed Peas

Publicado em: 11/05/2022 19:43

 (Foto: Reprodução/Instagram Apl.de.ap)
Foto: Reprodução/Instagram Apl.de.ap
A banda Black Eyed Peas se tornou um dos assuntos mais comentados do Twitter nesta quarta-feira (11) quando os usuários "descobriram" que o Apl.de.ap (também conhecido apenas como Apl), um dos integrantes da banda, tem nistagmo. A condição se caracteriza por movimentos involuntários e rápidos dos olhos em pessoas que têm baixa visão. 

Segundo a oftalmologista do CBV — Hospital dos Olhos, Juliana Lasneaux, as pessoas que têm a condição não conseguem focar a visão. "Não conseguem fixar o olhar e os olhos mexem-se rapidamente sem focar. Nem todo paciente com baixa visão tem nistagmo, mas quase todos que tem nistagmo, tem baixa visão", explica. 

De acordo com a Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica (SBOP), a condição é classificada em congênita, que aparece até as seis semanas de vida, ou adquirida, que aparece ao longo da vida. A condição pode ser provocada por diferentes tipos de doenças oculares e não, necessariamente, uma pessoa com nistagmo terá a visão prejudicada.

Vídeos que mostram o rapper de 47 anos sendo guiado no palco pelos colegas viralizaram no Tiktok. Porém, o próprio Apl já tinha falado sobre o assunto em entrevistas. Em 2011, ele falou à People Magazine que é legalmente cego e que tinha sido diagnosticado com nistagmo. "Duvidei de mim por muito tempo. Estou confortável em não usar minha visão. Contorno meus problemas", afirmou. 

Um dos vídeos que viralizou é uma entrevista do Will.i.am (outro membro do Black Eyed Peas) falando sobre o assunto. "Apl é cego. Apl não consegue enxergar. Se eu ficar parado ali, colocar um boné diferente, me posicionar diferente, ele não vai saber que sou eu. Ele me reconhece pela minha forma, voz e postura. Ele não pode dirigir, não enxerga cores. Ele não consegue ver daqui até a porta, daqui até a câmera", disse. 

Vale lembrar que o filipino disse que fez uma cirurgia em 2012 para corrigir o problema. Os médicos implantaram uma lente para contornar o nistagmo. O próprio artista contou como o procedimento lhe ajudou: "Eu posso realmente ver as pessoas à distância agora. Eu posso ver quase 30 metros de distância, antes eu não podia ver isso".

Segundo Juliana Lasneaux, o nistagmo do filipino não deveria ser tratada com tanta surpresa e é uma prova de que pessoas com deficiência podem ocupar todos os lugares. "A 'descoberta' pelo público da condição do artista, não deveria ser um assunto tão comentado assim. Afinal, ninguém é obrigado a levar a público nenhuma afecção em sua saúde. Alguém precisa contar pra todo mundo que tem hipertensão arterial por exemplo? Divulga se quiser. Por se tratar de uma deficiência visual, que sirva de exemplo para que todas as pessoas sejam incluídas onde elas quiserem estar", destaca. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Bruno Rodrigues e Débora Almeida
Manhã na Clube: entrevista com a dra. Tamara Cristina, endocrinologista
Refugiados ucranianos no Brasil: mais de 10 mil quilômetros longe de casa
Grupo Diario de Pernambuco