Diario de Pernambuco
Busca

ENTREVISTA

Feminicídio, uma das 'grandes tragédias da humanidade', diz escritora Rivera Garza

Por: AFP

Publicado em: 08/03/2022 09:45

 (Foto: reprodução)
Foto: reprodução
O feminicídio é "uma das grandes tragédias da humanidade", diz a premiada escritora mexicana Cristina Rivera Garza, que capta em sua obra a dor e a falta de justiça pelo crime contra sua irmã há três décadas.

"Não me parece que seja algo identitário ou algo particularmente mexicano, parece-me que é uma das grandes tragédias da humanidade. Precisamente, é uma guerra sistemática contra as mulheres e que faz parte de um sistema patriarcal que nos governa", diz a autora de 57 anos em entrevista à AFP.

Sua opinião é um alerta premente por ela mesma ser uma vítima indireta da violência de gênero, uma praga contra a qual as mulheres mexicanas protestarão nesta terça-feira, por ocasião do Dia Internacional da Mulher.

Liliana, sua irmã mais nova, foi assassinada há 32 anos por um namorado possessivo e violento, incapaz de aceitar o término do relacionamento.

O homicídio, rotulado na época como "crime passional", permanece impune.

O profundo luto de Cristina e sua família, assim como o espírito livre e o desafio às convenções que caracterizaram sua irmã, são a contribuição de "El invencível Verano de Liliana", obra publicada no ano passado e aclamada por leitores e críticos.

Misto de ensaio, investigação minuciosa e crônica de uma exaustiva busca por justiça, o livro também denuncia as dívidas do Estado mexicano com as vítimas de feminicídio.

O México comemora o Dia da Mulher em meio à crescente violência de gênero, com 1.006 feminicídios em 2021, ante 978 em 2020, e impunidade em mais de 90% dos crimes contra as mulheres, segundo dados oficiais.

Indiferença

Embora reconheça que a violência de gênero "ocorre com particular notoriedade" no México, a autora enfatiza que o problema é global.

"Nos Estados Unidos, onde moro há muito tempo, há muitos feminicídios que não são chamados de feminicídios simplesmente porque a palavra não é usada com tanta frequência quanto poderia ser", diz Rivera Garza, que é professora na Universidade de Houston, Texas, desde 2017.

A autora se recusa a se envolver em controvérsias em torno do presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, que questiona o movimento feminista mexicano, acusando-o de ser manipulado por seus oponentes políticos.

"Não quero falar de AMLO, quero falar da situação do país, quero falar das mobilizações que surgem da sociedade civil. Parece-me muito mais importante", sustenta.

Reconhece, no entanto, que o Estado e as autoridades devem estar "sempre na mira" da luta feminista, que deve ser "multifocal" e permanecer "de olhos bem abertos" diante de vários aspectos da vida cotidiana.

"As autoridades atuais e as do passado mostraram uma contínua indiferença", destaca.

Além da denúncia e do chamado à luta, o livro de Rivera Garza é um testemunho amoroso da personalidade vanguardista de Liliana, que tinha vinte e poucos anos.

Já em 1990, ela defendia "outros tipos de amor", de relações, assim como autonomia pessoal e "solidariedade" que "hoje se tornaram uma coisa cotidiana", diz a escritora.

"Seria apropriado dizer o que disse a [escritora peruana] Gabriela Wiener quando apresentou este livro em Madri: 'Finalmente nos tornamos irmãs de Liliana porque Liliana é muito moderna'".

Apesar da violência de gênero continuar em níveis alarmantes, a autora destaca que a história de Liliana "agora pode ser ouvida com dignidade e respeito".

"Digamos que seus desejos, seus sonhos, que poderiam parecer exagerados ou radicais nos anos 90 (...) são mais compartilhados", aponta.

Seu livro ganhou o Prêmio Mazatlán de Literatura 2022, que reconhece anualmente a melhor obra publicada no México, enquanto Rivera Garza recebeu o Prêmio José Donoso no ano passado no Chile por mais de 30 anos de carreira literária.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

Denise Dowse, atriz de Barrados no Baile, morre aos 64 anos

14/08/2022 às 18h09

Benito di Paula celebra 80 anos com turnê ao lado do filho

14/08/2022 às 17h20

Alcione cancela participação em homenagem a Elza Soares no Rock in Rio

13/08/2022 às 16h46

Filme da brasileira Júlia Murat conquista o Leopardo de Ouro do Festival de Locarno

13/08/2022 às 15h42

Alcione cancela participação em homenagem a Elza Soares no Rock in Rio

13/08/2022 às 12h54

Filha de Juliano Cazarré volta para UTI e passa por cateterismo

13/08/2022 às 12h36

Alcione cancela participação em homenagem a Elza Soares no Rock in Rio

13/08/2022 às 12h34

Rafa Kalimann chora ao esquecer bolsa de R$ 17,5 mil em avião

13/08/2022 às 10h57

Zé Felipe e Miguel falam sobre lançamento do DVD "Não é o Fim do Mundo"

13/08/2022 às 08h42

Single de Beyoncé conquista a primeira posição da Billboard Hot 100

12/08/2022 às 21h30

Ator e comediante Kenan Thompson vai apresentar o Emmy 2022

12/08/2022 às 21h15

HBO Max pode demorar 45 dias para receber os lançamentos da Warner

12/08/2022 às 21h00

Ludmilla anuncia data de lançamento de Numanice #2 ao vivo

12/08/2022 às 20h48

Disney Princesa tem nova edição com atletas olímpicas latinas

12/08/2022 às 18h36

Quarto álbum do porto-riquenho tornou-se o primeiro a ter todas as faixas atingindo 100 milhões de reproduções na plataforma

Bad Bunny marca outro recorde no Spotify com 'Un verano sin ti'

12/08/2022 às 18h05

Atriz afirmou em entrevista à Variety que interpretou Ariel "por todas as meninas negras e pardas que vão se ver" no longa

Halle Bailey fala sobre ataques racistas por papel em A pequena sereia

12/08/2022 às 17h51

A atriz Susana Vieira ficou internada durante 10 dias para tratar sequelas da covid-19

Susana Vieira tem alta hospitalar e celebra: "Que felicidade"

12/08/2022 às 16h50

A atriz sofreu um acidente de carro que a deixou em estado grave. Ela morreu nesta sexta-feira (12) e a família informou a um jornal britânico que os órgãos devem ser doados

Anne Heche morre aos 53 anos, após uma semana internada

12/08/2022 às 16h12