Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

LUTO

Morre Sevy Caminha, fundadora do Bloco Pierrot de São José, aos 85 anos

Publicado em: 08/09/2021 15:42 | Atualizado em: 08/09/2021 15:48

 (Foto: Bruna Costa/Esp. DP)
Foto: Bruna Costa/Esp. DP

A carnavalesca Severina dos Ramos Caminha, mais conhecida como Sevy Caminha, morreu aos 85 anos, na terça-feira (7), no Hospital São Salvador, localizado em Bairro Novo, em Olinda. Ela foi a fundadora do Bloco Pierrot de São José, uma das agremiações responsáveis por manter viva a tradição momesca no bairro de São José, coração do Recife. Junto com o Galo da Madrugada, o Pierrot comemorou 40 anos de existência em 2018. De acordo com a família, Sevy estava na UTI há seis dias por conta de uma infecção urinária, porém também sofreu um AVC e não resistiu. Ela deixa cinco filhos, dois netos e três bisnetos. O enterro será realizado no Cemitério de Santo Amaro, no Centro da capital pernambucana. 

Nascida no município de Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, Sevy Caminha se mudou para o bairro de São José ainda criança. A menina se habituou a espiar as artes carnavalescas no Pátio de São Pedro. Ali encontrou Augusto Bandeira, fundador do Batutas de São José, e Arlinda Cruz, do Clube Vassourinhas. Apaixonou-se ao ver tanta entrega dos dois às coisas da folia. E seguiu rota semelhante. "O carnaval é tudo na minha vida", disse em entrevista do Diario, em fevereiro de 2019.

Ela começou a carreira de carnavalesca desfilando em agremiações como Batutas, Banhistas do Pina, entre outras, até que fundou o Pierrot, em 1978. "Carnaval não é coisa de quatro dias. É coisa do ano inteiro", dise Sevy, na mesma entrevista. Ela sempre defendeu que nos desfiles é preciso "fazer bonito" para impressionar quem acompanha os desfiles, na passarela oficial ou nas ruas. Em síntese, buscar a perfeição dos passos e dos gestos. Nos últimos anos, Sevy também sonhou com um resgate do carnaval de rua do Recife, como ocorreu no passado e ainda ocorre em Olinda. É um desejo de muitos recifenses, que esperam ver mais o "colorido da massa" invadindo o Centro histórico da capital.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Após erupção do vulcão Cumbre Vieja, especialistas temem gases tóxicos
Manhã na Clube: Lucas Ramos (Sec. de Ciência e Inovação de Pernambuco) e dr. Catarina Ventura
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Grupo Diario de Pernambuco