Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

FESTIVAL

Diretoras afegãs exiladas denunciam no Festival de Veneza ações do Talibã

Por: AFP

Publicado em: 06/09/2021 09:20

As diretoras Sahraa Karimi e Sahra Mani relataram fuga do país e relataram risco cultural ao país (Foto: Filippo Monteforte/AFP)
As diretoras Sahraa Karimi e Sahra Mani relataram fuga do país e relataram risco cultural ao país (Foto: Filippo Monteforte/AFP)
Com um depoimento comovente, duas jovens cineastas afegãs imploraram solidariedade, neste sábado (4), no Festival de Cinema de Veneza, ao abordar a dramática situação cultural no Afeganistão, após a tomada do poder pelo Talibã, que poderá, literalmente, deixar o país sem artistas.
 
"Em apenas duas semanas, as figuras mais brilhantes do país partiram", disse Sahraa Karimi, 38, a primeira mulher a chefiar a Organização de Cinema do Afeganistão. "Imagine, um país sem artistas!", lamentou a cineasta diante de um grupo de jornalistas e cineastas, entre eles o diretor do festival, Alberto Barbera.
 
"Os talibãs estão destruindo os instrumentos de música, os estudantes se escondem (...) Por favor, sejam nossas vozes e falem da nossa situação", pediu, por sua vez, a cineasta Sahra Mani, diretora do documentário A thousand girls like me (2018), sobre uma mulher violentada pelo pai durante anos.
 
Karimi descreveu uma imagem sombria: "Tudo parou no espaço de algumas horas. Os arquivos estão sob o controle do Talibã. O trabalho dos diretores desapareceu", relatou ela.
 
"Pela primeira vez na história do cinema afegão, um filme foi convidado para o festival francês de Cannes. Estávamos planejando adaptar 11 curtas-metragens sobre histórias afegãs. Estávamos preparando a segunda edição do prêmio nacional de cinema", afirmou.
 
A cineasta disse que, no domingo de 15 de agosto, teve de abandonar seus projetos e deixar seu país para trás em poucas horas. "Foi a decisão mais difícil da minha vida: ficar, ou sair do meu país", confessou. "Não temos mais casa, não temos país (...) a Arte é proibida. Minha geração não quer isso", afirmou Karimi, lançando um pedido de ajuda à comunidade internacional. "Pedimos ajuda! Precisamos de esperança. Aqueles que ficaram no Afeganistão apagaram suas contas nas redes sociais", completou.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Após erupção do vulcão Cumbre Vieja, especialistas temem gases tóxicos
Manhã na Clube: Lucas Ramos (Sec. de Ciência e Inovação de Pernambuco) e dr. Catarina Ventura
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Grupo Diario de Pernambuco