Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

TEATRO

Oficina de Teatro para Mulheres com Vivências Terapêuticas abre nova turma virtual

Publicado em: 07/06/2021 20:56

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação


Mergulhada em si, buscando identificar o despertar das suas próprias dores, a atriz e diretora de teatro Hilda Torres decidiu investir em dinâmicas integrativas, unindo teatro e psicologia, voltadas ao público feminino. A Oficina de Teatro para Mulheres com Vivências Terapêuticas inicia hoje, com 12 encontros, sempre nas noites de segundas. São oferecidas bolsas para mulheres pretas e trans. “Fui encontrando também cada vez mais as dores do mundo. Com essas sensações sendo acessadas decidi fazer trabalhos de, para e por mulheres em cena”, conta Hilda. Informações podem ser obtidas pelo telefone (81) 92002-9784.

As aulas são destinadas a pessoas que se identificam como mulheres, cis e trans. “O que motivou esse recorte foi a importância de possibilitar espaços de vez e voz para as mulheres e assim, também, combater a opressão que nós vivenciamos todos os dias em razão do sistema do patriarcado que nos violenta durante a jornada histórica”, resume.

A oficina tem a proposta de identificar dores e traumas desenvolvidos através das opressões e despertar a sua autoconsciência, o autocuidado, o autoamor e permitir vivenciar novas jornadas, despertando o protagonismo da sua própria história. Os encontros são baseados na experimentação de possibilidades, promovendo o contato e a legitimação de sensações e sentimentos. “sobretudo, as sensações que foram silenciados, pelas opressões que nos foram historicamente impostas pelo machismo estrutural.”

A oficina é dividida em dois módulos. No primeiro, intitulado “o eu feminino em passos livres", Hilda explora a escuta terapêutica e a autonomia no movimento individual de cada mulher. No segundo, são introduzidos experimentos de construção de cenas. “A dramaturgia é construída a partir das próprias histórias e uma conta a história da outra como se fosse sua.

O tema escolhido para cada montagem vem da demanda da roda”, explica a atriz. Ao longo de sua jornada, Hilda já ministrou 13 turmas realizadas pelo grupo Cria do Palco, 4 turmas em parceria com Sesc e 2 turmas em festivais, totalizando 19 turmas. Já passaram pela oficina em torno de 500 mulheres.

Essa será a terceira turma realizada na pandemia. “Lamento não termos mais a potência da presença, o toque, o cheiro, o olhar próximo e o aquecimento que acontece quando estamos juntas, mas nos encontros virtuais a gente ganha na potencialização e fortalecimento do espaço que são reinventado e a possibilidade de encontrar companheiras de outras regiões e fazer a integração. O virtual, diante do contexto atual, também é uma resistência”, destaca.

A atriz ressalta a importância de cada vez mais dar espaço às mulheres. “É de grande importância, sobretudo quando trazemos essa proposta através da arte - estamos oferecendo mais um espaço para ressignificar, de se reconhecer na outra, de perceber que não está só. Para sabermos de onde viemos, onde estamos, para onde queremos ir e o que vamos deixar como legado para as nossas descendentes, todas que virão e já estão chegando”, conclui.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Diabetes: saiba como evitar e controlar antes que seja tarde
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco