Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

COMÉDIA

Crítica: 'Bo Burnham: Inside' é a obra definitiva sobre comédia e isolamento

Publicado em: 10/06/2021 09:30 | Atualizado em: 11/06/2021 09:23

Com músicas originais e um espetáculo de luzes, o especial faz piada com problemas típicos do isolamento (Foto: Netflix/Divulgação)
Com músicas originais e um espetáculo de luzes, o especial faz piada com problemas típicos do isolamento (Foto: Netflix/Divulgação)
Isolamento e criatividade têm entrado muito em embate nos dias atuais. Ocasionalmente, a falta de contato com o mundo externo pode levar o artista a uma inércia de ideias. Porém, quando essas duas grandezas trabalham em sintonia, surgem obras como Inside, o mais novo especial do comediante Bo Burnham. A produção estreou na Netflix em 30 de maio e tem recebido aclamação da crítica mundial por sua inventividade.
 
Além de comediante, o estadunidense Bo Burnham é ator, diretor e músico. Após dirigir o filme Oitava Série (2018), sua aparição mais recente foi como ator coadjuvante em Bela Vingança (2020), indicado ao Oscar deste ano. Aqui, ele reúne todas as suas habilidades para elevar ao extremo o significado de um trabalho autoral e caseiro, tendo escrito, dirigido, filmado, editado e performado o especial; totalmente realizado em um pequeno quarto na sua própria casa.
 
Como deixa claro no seu penúltimo especial de comédia, Make Happy (2016), Bo é um comediante de performance. Assim, no lugar de um stand-up tradicional, o longa traz uma série de músicas originais e um espetáculo de luzes orquestrado individualmente que ajudam a contar a história. As canções, geralmente derivadas de ritmos eletrônicos e pop, formam as esquetes que conduzem a narrativa, ainda que esta intencionalmente não seja montada de forma completamente linear ou gradual.
 
Bem-vindo à Internet
Marcado por uma aleatoriedade típica do fluxo de ideias de um ócio criativo, o espetáculo se transforma em um grande estudo sobre mídia e a percepção desses conteúdos na pandemia. O comediante brinca com elementos fotográficos e de edição, como a proporção de tela, para emular os diferentes formatos que fazem cada vez mais parte do cotidiano do público, como o FaceTime e o Instagram. Também são parodiadas as linguagens visuais de outros conteúdos do mundo virtual, como videoclipes, vídeos de react e gameplays.

Acompanhamos as consequências de mais de um ano de isolamento do comediante durante a produção do longa (Foto: Netflix/Divulgação)
Acompanhamos as consequências de mais de um ano de isolamento do comediante durante a produção do longa (Foto: Netflix/Divulgação)
 
“Devo fazer piada num momento como este?”, ele se questiona em um dos primeiros números musicais. O humor de Burnham é por vezes ácido, mas nunca se transforma no típico desrespeito cômico tão comum de se encontrar. No lugar, ele usa da ironia para fazer uma graça autodepreciativa, ao falar sobre questões sociais e políticas reconhecendo sua posição de privilégio. A autoconsciência por trás de cada piada é tão marcante que o seu texto se torna quase que blindado de rótulos, uma vez que qualquer crítica possível já é inserida por ele mesmo ao longo do material.
 
Contudo, o que a princípio parece apenas uma coletânea de momentos cômicos, também revela-se como um profundo experimento de introspecção. Bo, que lidava com casos de ataque de pânico nos palcos, reflete sobre muitos dos problemas pessoais gerados pela pandemia, como cansaço, bloqueios criativos e a angústia de ver o tempo passar, como ao fazer aniversário durante o isolamento, algo familiar a quase todo o público. Da mesma forma, revela a inevitável dependência do artista por uma plateia.
 
Em uma realidade em que somos bombardeados com informações e conteúdos, o especial Inside é um paradoxal poço de ânimo e crítica às mídias digitais, alcançado com um surpreendente domínio da linguagem audiovisual. Consciente de que não é nem de longe pioneiro nas obras sobre o isolamento social, Bo Burnham opta por ir mais longe, colocando em questão a relevância da comédia e seu poder de fazer uma mudança literal...metaforicamente.

Confira uma das músicas do especial:


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Para evitar contaminação por Covid, robôs oferecem água benta em Meca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco