Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

MÚSICA

Pernambucano Henrique Albino lança estreia solo, guiada pelo conceito 'música tronxa'

Publicado em: 15/04/2021 11:13

Henrique Albino durante gravações no Estúdio Fábrica (Foto: Eládio Ferreira/Divulgação)
Henrique Albino durante gravações no Estúdio Fábrica (Foto: Eládio Ferreira/Divulgação)


Poucas coisas conseguem possibilitar uma unidade de conhecimento como o conceito. Seja um símbolo mental, uma ideia ou uma noção. Para intensificar e guiar o seu processo criativo, o músico Henrique Albino, instrumentista (com enfoque no sax) e arranjador conhecido no meio artístico e autoral de Pernambuco, buscou o seu próprio conceito: a "música tronxa" - com x, ao invés de ch.

A ideia deu título ao seu primeiro álbum solo, gravado com o Henrique Albino Quarteto (Felipe Costta, Filipe de Lima e Silva Barros) no Fábrica Estúdios e lançado nesta quinta-feira (15) pelo selo Boa Vista Jazz Records, que vem fomentando a cena jazzística e instrumental de Pernambuco desde o ano passado.

Música tronxa tem seis faixas instrumentais, entre 6 e 10 minutos cada, que vão articular as raízes musicais pernambucanas à liberdade expressiva do jazz, à complexidade rítmica da música instrumental contemporânea e a outras inúmeras possibilidades melódicos-harmônicas. "O 'rtoncho' dá a ideia de algo que é todo 'jogado', mas o 'tronxo', no bom pernambuquês, quer falar sobre uma música que junta a matemática com a intuição, para fazer algo desafiador para quem compõe, interpreta e ouve."

Henrique Albino Quarteto (Foto: Eládio Ferreira/Divulgação)
Henrique Albino Quarteto (Foto: Eládio Ferreira/Divulgação)

"É uma liberdade que você não consegue expressar, um sentimento complexo que é mais do que uma melodia bonita", diz Albino, que cita artistas como Hermeto Pascoal, Arrigo Barnabé,  Maria Schneider, Tânia Maria, Esperanza Spalding, Olivier Messiaen e Steve Coleman como exemplos de músicos que praticam esse tipo essa ideia de "tronxo".

"Eu acredito que o tronxo também fale sobre a necessidade de ter fundamentação e conhecimento sobre o que você deseja. Eu me coloco como pernambucano e os sons que temos aqui são as bases para criar essa complexidade, o meu som, desenvolver minha própria inovação, meu jeito de fazer. É como unir pensamentos diferentes para gerar novos sons".

Para Albino, o frevo é um exemplo de como os pernambucanos gostam dessa ideia de música desafiadora. "Quanto mais difícil, mais achamos legal. Somos fascinados pela complexidade e é muito importante ter a liberdade e a improvisação. A música brasileira às vezes usa sistemas muito específicos, então eu recorro à música contemporânea, ao jazz e à música pernambucana para basear esse disco", finaliza.

Albino tem um currículo extenso. Aos 28 anos, trabalhou como arranjador para Spok, Elba Ramalho e Elza Soares. Também é conhecido pela parceria com o pianista Amaro Freitas. O músico pretende lançar um álbum de canções com a cantora Surama Ramos ainda neste ano.

Ouça:

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 18/05
De 1 a 5: ajudando amigos e familiares a enfrentarem a depressão e a ansiedade
Japoneses são contrários à realização das Olimpíadas
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 17/05
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco