Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

HOMENAGEM

Documentário em homenagem a Chadwick Boseman fica disponível na Netflix por apenas um mês

Publicado em: 20/04/2021 10:23

O ator faleceu em agosto de 2020 depois de uma longa luta em segredo contra um câncer colorretal (Foto: Instagram/Reprodução)
O ator faleceu em agosto de 2020 depois de uma longa luta em segredo contra um câncer colorretal (Foto: Instagram/Reprodução)

Em sua trajetória cinematográfica, ele já foi Jackie Robinson, James Brown, Thurgood Marshall e ficou eternizado como o super-herói Pantera Negra. Favorito ao Oscar de melhor ator, que será entregue domingo (25/4), em Los Angeles, pelo papel do excêntrico trompetista Levee Green em “A voz suprema do blues”, Chadwick Boseman acaba de estrelar mais um filme. Porém, desta vez o personagem principal é o próprio artista, como ele próprio faz questão de se definir logo na primeira cena de “Chadwick Boseman: Para sempre”.

EMOÇÃO

Em cartaz na Netflix desde sábado (17/4), o documentário de 21 minutos ficará disponível por apenas 30 dias na plataforma. Dirigido pelo multiartista etíope-americano Awol Erizku, o curta homenageia a brilhante carreira do astro, precocemente interrompida aos 43 anos pelo câncer, em agosto de 2020.

As atrizes Danai Gurira e Viola Davis, o cineasta Spike Lee e o ator e produtor Denzel Washington, entre outros artistas que dividiram sets de filmagem com ele, dão depoimentos breves, mas emocionados, sobre como a sensibilidade de Boseman fazia a diferença perante as câmeras e, especialmente, para a construção de uma representatividade social justa para a população afro-americana.

Os convidados corroboram a declaração do próprio homenageado, resgatada na abertura do documentário: “Eu sou Chadwick Boseman. Sou um artista. Dizem que sou um ator. Eu não me consideraria um ator. Eu me considero um artista”. E assim ele é descrito por quem testemunhou de perto seu empenho em cada cena.

Viola Davis, com quem contracenou em “A voz suprema do blues”, exalta a incansável dedicação do colega ao trabalho, referindo-se a Boseman como “um coadjuvante no corpo de um protagonista”. Pela dobradinha, ambos concorrem ao Oscar 2021 de melhor ator e melhor atriz. Produzido pela Netflix, o longa sobre a cantora Ma Rainey (personagem de Davis) recebeu outras três indicações: cabelo e maquiagem, figurino e design de produção.

O documentário de Awol Erizku também traz os depoimentos de George C. Wolfe, diretor de “A voz suprema do blues”, e dos atores Taylour Paige e Glynn Turman. Cenas dos bastidores das filmagens e trechos emblemáticos do longa, a última atuação de Boseman no cinema, ilustram as reverências feitas a ele.

 

 

BÍBLIA

A produção do documentário teve acesso ao roteiro com as falas de Boseman em “A voz suprema do blues”. Com teor extremamente pessoal, este texto – “a bíblia particular de cada ator”, segundo Viola Davis – foi compartilhado com a atriz e colegas de elenco. Eles leem para o público as anotações feitas por Boseman sobre o que pensava a respeito de algumas cenas e como pretendia fazê-las.

Além de celebrar o último trabalho de Chadwick Boseman, o documentário lembra outros papéis importantes dele. Spike Lee, diretor de “Destacamento Blood”, que concorre ao Oscar de melhor trilha sonora, fala de sua admiração pelo ator, que viveu Stormin' Norman em seu longa. O cineasta destaca o Pantera Negra “no topo” de várias interpretações notáveis.

Danai Gurira, que interpretou a general Okoye no filme da Marvel, descreve como Boseman fazia a diferença na construção das cenas e do próprio personagem.

A atuação do ator como o lendário músico James Brown em “Get on up” (2014) é destacada pelo diretor Tate Taylor. Brian Helgeland e Reginald Hudlin, que o dirigiram em “42 – A história de uma lenda” e “Marshall: Igualdade e justiça”, respectivamente, ressaltam sua versatilidade em papéis biográficos de negros que se destacaram pelo grande talento e contribuição social.

Porém, a potência artística de Chadwick Boseman fora de qualquer papel é o ponto alto do breve documentário. A atriz, diretora e produtora Phylicia Rashad, professora da Universidade de Howard, onde o ator se graduou, fala sobre o jovem estudante que se destacava pela ilimitada vontade de criar. “Ele não limitaria sua experiência de crescimento e aprendizagem por causa das diferenças culturais”, diz Rashad, lembrando que “Chad” estudou para ser cineasta, mas a sede de saber o levou a aprender a atuar.

DOUTOR

Em Howard, Boseman ampliou a compreensão de que seu principal papel como artista não estaria ligado a apenas um personagem ou a uma trama. Isso fica claro em seu discurso ao receber o título de doutor em letras humanas, há quase três anos, naquela universidade. Embora as cenas não sejam inéditas, sua inclusão no documentário arremata bem a homenagem.

“Não sei qual é o seu futuro, mas se quiser seguir o caminho mais difícil, é melhor encontrar um propósito do que um emprego ou carreira”, disse o ator. “O propósito é um elemento essencial em você. É por isso que você está no planeta neste momento da história. Seja qual for a carreira que escolher, os obstáculos pelo caminho só servem para moldá-lo para o seu propósito. Quando ousei desafiar o sistema que nos relega a vítimas e estereótipos sem esperança ou talento, quando questionei essa forma de representação, um caminho diferente se abriu para mim. O caminho para o meu destino”, revelou Chadwick Boseman.

 

“CHADWICK BOSEMAN: PARA SEMPRE”

Documentário 21 minutos. Direção: Awol Erizku. Disponível na Netflix

PRÊMIOS

Este ano, importantes prêmios póstumos foram dados a Chadwick Boseman por seu trabalho em “A voz suprema do blues”: Globo de Ouro, SAG e Critic's Choice Awards. Isso faz dele forte candidato ao Oscar. Se vencer, será o terceiro ator premiado depois de morrer – os outros são Peter Finch, por “Rede de intrigas”, em 1977, e Heath Ledger, que levou a estatueta de ator coadjuvante por “Batman: O cavaleiro das trevas”, em 2009.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Air France e Airbus serão julgadas pelo voo 447 Rio-Paris
Manhã na Clube com Rhaldney Santos -  12/05
Anvisa recomenda suspender vacinação da AstraZeneca para grávidas
Anticorpos contra Covid-19 permanecem no sangue por pelo menos oito meses
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco