Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

CINEMA

Documentário sobre impedimento de partos em Noronha terá pré-estreia na ilha

Publicado em: 17/02/2021 18:55 | Atualizado em: 17/02/2021 18:58

 (Foto:Boulevard Filmes/Divulgação)
Foto:Boulevard Filmes/Divulgação

O documentário Proibido Nascer no Paraíso, de Joana Nin, terá pré-estreia aberta ao público de Fernando de Noronha com duas sessões, em 20 de fevereiro e 24 de fevereiro, sempre às 20h, no Muzenza, casa noturna que fica na Vila dos Remédios. A capacidade máxima do local, que já está funcionando com limite reduzido por conta da pandemia da Covid 19, é de 90 pessoas. Uma produção da Sambaqui Cultural, o filme será lançado comercialmente nos do Brasil, a partir do dia 11 de março, pela Boulevard Filmes. 

Proibio Nascer no Paraíso coloca luz no fato de que, desde 2004, mulheres da ilha são forçadas a se afastar de casa para terem seus bebês, pois o único hospital local não está preparado para realizar partos. "Aquelas que se recusam são coagidas a sair, nem mesmo nativas podem optar por ficar. A proibição coincide com a explosão do turismo na ilha e gera conflito entre empresários e aqueles que têm direito à terra. O filme acompanha a saga de três gestantes de famílias tradicionais da gravidez até o parto", diz o texto informativo sobre o filme.

"Quando eu estava filmando o documentário na ilha, ouvi diversas vezes das pessoas que participaram comentários sobre o desejo de ver o filme depois. A internet na ilha não funciona tão bem, então para que eles possam assistir, eu terei que levar o filme até lá. Acho fundamental que o realizador de documentário de alguma forma devolva o filme para comunidade ou para as pessoas que emprestaram sua história" diz Joana Nin.

"Neste sentido, para mim tem uma importância muito grande exibir o filme em Fernando de Noronha. Embora outras mulheres grávidas muitas vezes sejam impedidas de tomar decisões sobre o próprio parto, em Fernando de Noronha este problema virou uma questão de pertencimento. O filme é uma ferramenta importante para contribuir neste debate. Como assim não é possível ter um bebê no mesmo lugar onde nasceu a mulher?", explica.

Assista ao teaser:

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Doença da urina preta: síndrome rara pode levar à UTI
Resumo da semana: toque de recolher em PE, suspeitas de síndrome rara  e vacina aprovada
Atividades não essenciais proibidas em Pernambuco todo das 22h às 5h
Unicap inova em plena pandemia e transforma centros acadêmicos em escolas
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco