Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

LITERATURA

Crítica literária é analisada por Italo Moriconi em livro editado pela Cepe

Publicado em: 02/09/2020 09:17

De acordo com o crítico literário, o exercício da leitura no Brasil atual é um ato de resistência (Fotos: Divulgação)
De acordo com o crítico literário, o exercício da leitura no Brasil atual é um ato de resistência (Fotos: Divulgação)

Foi a partir de uma máquina de escrever que ganhou dos seus pais quando tinha apenas 13 anos que o crítico literário carioca Italo Moriconi começou a desenvolver uma relação com a escrita. "Desde então estava selado o pacto entre o escrever e a técnica, o escrever e o narcisismo do objeto, o escrever e o público tipográfico, o mercado”, diz o carioca em um dos seus ensaios publicados no livro Literatura, meu fetiche, lançado pela Cepe Editora através do Selo Suplemento Pernambuco.

A publicação será lançada nesta quarta-feira (2), às 19h, com a presença de Moriconi em live transmitida pelo canal da Cepe no YouTube. O livro custa R$ 17,50 (e-book) e pode ser adquirido nas livrarias do país. A versão impressa está condicionada ao retorno das atividades presenciais do parque gráfico da Cepe, suspensas em função do isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus.

No livro, estão reunidos textos escritos por Moriconi durante a primeira década do século 21 para sites, publicações acadêmicas e apresentações orais. Também estão presentes análises do autor sobre as condições de produção, circulação e recepção do texto literário, além de ensaios sobre a leitura de escritores como Clarice Lispector, Caio Fernando Abreu, Torquato Neto, Bernardo Carvalho, André Sant’Anna e Rubens Figueiredo. O livro é organizado pelas escritora Paloma Vidal e Ieda Magri.

Para Schneider Carpeggiani, editor do Suplemento Pernambuco, jornal literário da Cepe, o livro de Italo Moriconi serve como uma espécie de arquivo para se pensar as mudanças que a crítica literária sofreu na virada do milênio. "O trabalho de Ieda e de Paloma, ao organizarem esse livro, foi justamente o de trazer ao público esse arquivo das mudanças na escrita e na forma de pensar a escrita nessa virada de milênio", declara Schneider.

De acordo com o crítico literário Italo Moriconi, o exercício da leitura no Brasil atual é um ato de resistência. "Vivemos tempos de obscurantismo e fundamentalismo religioso crescentes. Ler significar abrir os poros para todos os aspectos da vida e exercitar a curiosidade artística, científica. Adquire-se informação pela TV e pela internet. Mas só se constrói sabedoria no ato mais lento e meditativo da leitura silenciosa do livro", pontua.

Apesar de acreditar que a internet tem um papel essencial na difusão da literatura amadora nos dias de hoje, é preciso ter critério. "A internet permite a expansão de uma crítica menos acadêmica. No entanto, de qualquer crítica, acadêmica ou não, precisamos esperar e mesmo cobrar inteligência, argumentação lógica e criatividade interpretativa apoiada por leitura correta dos textos.” Para ele, "É importante a crítica da crítica.

Literatura é uma paixão antiga de Italo, como intitula o livro, é um "fetiche". "Um feitiço que começou cedo, que virou um vício, desde a mais tenra infância, quando li Monteiro Lobato infantil inteiro, de enfiada. Eu curtia enormemente todas as histórias. Depois eu me liguei muito em O tempo e o vento, de Erico Verissimo, acho que foi ali que peguei o sentido da passagem do tempo, que é um tema que me fascina até hoje. Finalmente, passei a trabalhar profissionalmente em função do fetiche literário enquanto instituição, na universidade e no mercado. Oscilo entre o desejo e a obrigação da leitura”, analisa.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Ministério da Saúde autoriza volta parcial da torcida na Série A
Resumo da semana: acidente em Boa Viagem, aulas liberadas e reinauguração do Geraldão
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #101 Actina e Miosina
Rhaldney Santos entrevista advogada Rafaella Simonetti do Valle
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco