Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

CANÇÃO

Adriana Calcanhotto doa direitos de música para família do menino Miguel

Publicado em: 17/09/2020 20:01

 (Foto:  Reprodução/Facebook)
Foto: Reprodução/Facebook
Por Maíra Alves

A Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) criou o Instituto Menino Miguel, em homenagem à criança de 5 anos que morreu após cair de um prédio, ao ser abandonada pela patroa da mãe no elevador de um prédio de luxo, no Centro do Recife (PE). O órgão tem como objetivo unir iniciativas relacionadas ao cuidado com a vida, da infância ao envelhecimento, além de se aproximar da promoção da justiça social e dos direitos humanos.

Como forma de apoio, a cantora e compositora Adriana Calcanhotto doou os direitos autorais da música Dois de Junho, que compôs durante a quarentena, ao instituto (veja a letra abaixo). O clipe da música será lançado nesta sexta-feira (18/09), e, segundo a UFRPE, "fortalece a luta pela justiça por Miguel e pelo cuidado com a vida de meninos e meninas do nosso país".

O instituto, que está com a inauguração prevista para outubro, abrigará inicialmente a Escola de Conselhos de Pernambuco, o Núcleo do Cuidado Humano, o Núcleo do Envelhecimento e o Observatório da Família, estruturas já existentes na UFRPE que se unem para o desenvolvimento de pesquisas, projetos e políticas voltadas ao bem-estar e à qualidade de vida. Todo o processo conta com a participação da mãe do Miguel, Mirtes Renata de Souza.

 

“Pretendemos manter juntos, em uma ação orgânica e sistêmica da UFRPE, os quatro núcleos que têm como objetivo o acolhimento do ser humano desde a infância até o processo de envelhecimento”, ressalta o reitor da Universidade, professor Marcelo Carneiro Leão, em nota. Posteriormente, outras ações serão incorporadas.

‘Miguel vive’

Para o coordenador do Instituto Menino Miguel, professor Humberto Miranda, a entidade possibilita que a universidade esteja ainda mais perto das causas populares, além de manter viva a memória de Miguel Otávio. “Essa memória não deve ser apagada, pois, assim como Miguel, Mirtes e Marta, há outras crianças, mães e avós que precisam ser escutadas. Dessa forma, Miguel vive”, enfatiza.

Confira a letra da música Dois de junho, composta por Adriana Calcanhotto em homenagem a Miguel:

Dois de junho

No país negro e racista

No coração da América Latina

Na cidade do Recife

Terça-feira, dois de junho de 2020, 29 graus Celsius, céu claro

Sai pra trabalhar a empregada, mesmo no meio da pandemia

E, por isso, ela leva pela mão Miguel, 5 anos, nome de anjo Miguel Otávio, primeiro e único Trinta e cinco metros de voo do nono andar

Cinquenta e nove segundos antes de sua mãe voltar

O destino de Ícaro, o sangue de preto, as asas de ar

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Luta por representatividade: candidatas negras tentam reescrever a história
Resumo da semana: segunda onda da pandemia, drones na eleição e campanha sem aglomeração
Rhaldney Santos entrevista João Paulo (PCdoB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco