Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

LIVE

Depoimento de Danni Suzuki sobre elenco de 'Sol Nascente' repercute nas redes

Publicado em: 31/08/2020 21:16 | Atualizado em: 31/08/2020 22:27

 (Foto: Reprodução/Instagram)
Foto: Reprodução/Instagram
"Não tinha espaço para mim”. É o que conta a atriz Daniele Suzuki, ex-Globo, em uma live realizada em junho, mas reavivada nas redes sociais no último domingo (30). Na conversa, Suzuki dá a sua versão para o fato de ter sido cortada do elenco da novela Sol Nascente, exibida entre agosto de 2016 e março de 2017, e o porquê de ter optado por se desvincular da emissora após o ocorrido. O depoimento viralizou entre os internautas, que abriram discussão sobre racismo e discriminação étnica.

Com apenas 21 pontos de audiência, a novela da faixa das 18h foi uma decepção na época. Mas, antes mesmo da estreia, Sol Nascente já apresentava problemas muito maiores do que a falta de público. A trama, que se passava em uma fictícia cidade litorânea, era protagonizada por uma família de descendentes de japoneses. No entanto, para o espanto do público, nenhum dos atores principais tinha ascendência asiática.

O patriarca da família, o japonês Kazuo Tanaka, foi vivido por Luis Melo. E sua filha, Alice, foi vivida por Giovana Antonelli. A justificativa para a escalação controversa seria de que Alice era, na verdade, filha adotiva de Kazuo. Mas a polêmica não para por aí.

Em entrevista realizada pela também atriz Bruna Aiiso no Instagram, Danni Suzuki declarou que a personagem principal de Sol Nascente foi inspirada nela: "Eu era a protagonista da novela. Tinha sido escrita pelo Walter Negrão (um dos autores da trama) para mim. Ele me chamou pra conversar. Pesquisou minha vida. Fez a história de japonês com italiano, que é a minha história. Ela era designer porque eu fiz design industrial, ela surfava porque eu surfava. Enfim, foi toda construída em cima da minha vida real”, conta a atriz, que não foi escalada para o papel.

Quatro anos após o ocorrido, quando Suzuki finalmente falou sobre a situação, seu depoimento viralizou entre os internautas. Alguns se revoltaram e manifestaram indignação, outros julgaram o episódio como racista:

Na época, o autor Walter Negrão explicou a situação para o portal Ego: "Tentamos achar nos testes uma protagonista japonesa, mas não encontramos uma com status de estrela. Eu precisava disso, a Globo queria uma estrela. Novela tem um custo muito alto, não dá para arriscar".

Outra justificativa dada pela produção, seria de que Danni Suzuki era, na verdade, muito velha para o papel. A contradição é que a escolhida para o protagonismo foi a atriz Giovana Antonelli, dois anos mais velha e, para completar as especulações, esposa do diretor da novela, Leonardo Nogueira.

Em um comentário no Instagram, Antonelli negou as alegações: "Jamais disputei ou troquei papel com esta atriz na minha carreira. Colocar meu nome nesta situação é vergonhoso".

Whitewashing
Em 2016, o elenco de Sol Nacente causou muita revolta e um manifesto foi assinado por cerca de 200 artistas brasileiros com ascendência oriental, questionando a escolha dos atores e pedindo pelo fim da discriminação étnica.

Não foi a primeira acusação de whitewashing — palavra de origem inglesa, que significa ‘branqueamento’ — contra a Globo. No universo audiovisual, seria a escalação de atores brancos em papéis que deveriam pertencer originalmente a pessoas de outras etnias.

Em maio de 2018, por exemplo, a emissora foi acusada novamente de racismo com a novela Segundo Sol, de João Emanuel Carneiro. Ambientada em Salvador, a trama tinha apenas protagonistas brancos. Desta vez, os protestos foram ainda mais fortes e o Ministério Público do Trabalho entrou com uma ação contra a emissora, que reconheceu que precisava "evoluir com essa questão".

Na live ocorrida em junho, Danni Suzuki completou a série de desabafos dizendo que o episódio vivido por ela a fortaleceu, e a motivou a sair da Rede Globo e buscar novos rumos: "Decidi buscar outro caminho, mas não no papel de vítima", declara a atriz, que desabafa: "A escolha deles (Globo) não era compatível com as minhas. Eu usei aquilo para me impulsionar e pra mim aquilo foi um presente; comecei a mergulhar na questão dos refugiados, tirei tempo livre para dirigir o meu documentário". Hoje, Suzuki dirige uma série sobre crianças refugiadas e é integrante da ONG Aldeias infantis, no Rio de Janeiro, que acolhe famílias refugiadas no Brasil.

Em nota, a Globo disse "desconhecer as informações prestadas" e informou que "os critérios de escalação das obras são técnicos e artísticos". 

Confira a íntegra da nota:
"Desconhecemos as informações prestadas. Os critérios de escalação das obras da Globo são técnicos e artísticos. São avaliados vários aspectos, como adequação ao perfil do personagem, disponibilidade do elenco, composição total do casting, dentre outros. E essa decisão não cabe apenas a um profissional e sim a um time, composto por autor, diretores e diretoria de Entretenimento da empresa."
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Ministério da Saúde autoriza volta parcial da torcida na Série A
Resumo da semana: acidente em Boa Viagem, aulas liberadas e reinauguração do Geraldão
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #101 Actina e Miosina
Rhaldney Santos entrevista advogada Rafaella Simonetti do Valle
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco