Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

SÉRIE

The Umbrella Academy volta ainda mais pop à Netflix

Publicado em: 31/07/2020 08:32

 (Foto: Reprodução/Netflix)
Foto: Reprodução/Netflix
 
Grupo de super-heróis tem poucos dias para salvar o mundo do apocalipse. Esse era o mote da primeira temporada de The Umbrella Academy. E é também o da segunda, com 10 novos episódios que estreiam nesta sexta-feira (31), na Netflix.

Mas pode ir com tudo, pois, apesar da mesma premissa, The Umbrella Academy consegue, como poucos, divertir em meio à história que mistura muitos elementos da cultura pop. Não por acaso a adaptação da HQ homônima escrita por Gerard Way (ex-vocalista da banda My Chemical Romance), ilustrada pelo paulista Gabriel Bá, ocupa a segunda colocação do top 10 das séries origina
is mais assistidas da Netflix.
 
BEBÊS
Para quem está chegando agora, a série acompanha os filhos de Sir Reginald Hargreeves (Colm Feore). A narrativa tem início em 1989, quando no mesmo dia 43 bebês nasceram de mulheres sem sinal algum de gravidez.

Sete deles foram adotados pelo industrial bilionário, que cria a The Umbrella Academy e os prepara para salvar o mundo. Porém, no decorrer do tempo a família se desintegra. A notícia da morte de Hargreeves reúne seis dos irmãos (um morreu no meio do caminho), cada qual com seu próprio superpoder.

Os heróis um tanto disfuncionais são Luther (Tom Hopper), o número 1, com força acima do comum; Diego (David Castañeda), com sua mira invencível; Allison (Emmy Raver-Lampman), capaz de convencer qualquer um a fazer o que quiser através da frase “Eu ouvi um boato”; Klaus (Robert Sheehan), que interage com os mortos; Cinco (Aidan Gallagher), que viaja no tempo; Ben (Justin H. Min), o filho morto, que conversa com Klaus e projeta tentáculos com o próprio peito; e Vanya (Ellen Page), com habilidades telecinéticas absurdas – basta ficar irritada para entrar em ação.

Uma dica: a Netflix disponibilizou em suas redes sociais o resumo de 10 minutos, com os próprios atores, explicando, episódio por episódio, a temporada inicial.

O segundo ano mostra os personagens em nova viagem no tempo depois do apocalipse provocado por Vanya, que destruiu a Terra. Todos estão em Dallas, no Texas, mas em períodos diferentes entre 1960 a 1963. Os primeiros episódios mostram Allison casada e militando no movimento dos direitos civis; Vanya desmemoriada e vivendo em uma fazenda; Klaus como o líder de um culto hippie, Diego internado em um hospício. E por aí vai.

É por obra de Cinco, claro, que eles conseguem se reunir no mesmo período temporal. O herdeiro de Hargreeves que habita um corpo de criança assistiu ao mundo dizimado em uma guerra nuclear. Então recupera os irmãos perdidos para fazer com que tentem impedir a catástrofe. Não é à toa que todos estão em Dallas em novembro de 1963. Em poucos dias, o presidente Kennedy será assassinado por Lee Harvey Oswald. E eles querem impedir isso também.

A reunião para evitar as tragédias só vai se efetivar na segunda metade da temporada, já que nos primeiros episódios a série procura localizar cada um dos personagens no período. Luta contra a segregação racial, corrida nuclear, movimento hippie, Guerra do Vietnã, todos os grandes acontecimentos do período estão misturados na narrativa.

Antigos e novos personagens aparecem na série, com interesses românticos para Allison (o que causa uma dor de cotovelo daquelas em Luther), Vanya e Diego. E há três assassinos suecos bizarros atrás dos heróis – a razão da perseguição só será explicada no meio da temporada.

Como no ano anterior, a música tem muito destaque. Alguns dos melhores momentos são resultado de uma canção escolhida à perfeição para “preencher” a cena. Com I was made for lovin’you (Kiss) ao fundo, assistimos o embate dos suecos com Cinco e Diego.

É divertido, inconsequente, colorido e rápido demais. Como série, The Umbrella Academy é uma das melhores adaptações televisivas que a narrativa pop criada nos quadrinhos pode ter. Como produto da indústria do entretenimento, atinge tanto fãs dos super-heróis Marvel quanto aqueles que acompanham as peripécias da turma de Harry Potter – boa parte da audiência da Netflix é formada por jovens e adultos que cresceram consumindo tais produtos.

MISTURA
Pouco importa se há um apocalipse que os heróis têm de evitar. O caminho para tal é o que interessa. E nele não faltam cenas de ação, drama, romance, suspense. É nessa miscelânea de gêneros, com elenco afinado e plasticidade fora de comum, que reside a graça da série.

Com o mesmo ritmo do início ao fim, a segunda temporada é tão boa quanto a primeira. Em alguns momentos, chega a superar a antecessora.
TAGS: academy | umbrella | netflix |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #179 - Coração dos vertebrados
De 1 a 5 : Cuidados com a luz são essenciais na rotina do trabalho remoto
Candidatos têm características das mais distintas, mas estão longe de representar os grupos sociais
Resumo da semana: 5 anos do surto de microcefalia, Covid suspende aulas e nova pesquisa no Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco