Crime

Homem é preso por ameaçar oficial de Justiça em ligação de WhatsApp

Telefonema foi registrado no Grande Recife, quando a profissional estava no ambiente de trabalho

Publicado em: 23/05/2024 12:19 | Atualizado em: 23/05/2024 14:35

Fórum de Itamaracá fica no Grande Recife  (Foto: Arquivo)
Fórum de Itamaracá fica no Grande Recife (Foto: Arquivo)
Um homem de 50 anos foi preso, nesta quinta-feira (23), por ameaçar uma oficiala de Justiça, por meio de ligações de WhatsApp.

O caso foi registrado em Igarassu, no Grande  Recife. 
 
Segundo o sindicato que representa a categoria, a vítima é uma  oficiala de Justiça  de 38 anos, que preferiu não ser identificada. 
Ela é lotada no Fórum de Itamaracá, na Região Metropolitana do Recife (RMR).  
 
A mulher  foi alvo de agressões verbais e ameaças, em uma ligação, quando estava trabalhando, na noite da quarta-feira (22). 
O acusado foi preso por volta das 6h da manhã desta quinta-feira (23) pelo delegado titular da Delegacia de Itamaracá, Gilmar Rodrigues.
 
Ligação

Durante a ligação em que ameaçou a oficiala de Justiça, o suspeito ainda proferiu xingamentos e ameaças a dois juízes, sendo um deles uma magistrada que é chefe da oficiala de justiça.  
 
Ainda conforme a entidade sindical, o agressor é um homem identificado como Luciano Manoel da Silva.
 
Ele foi preso em flagrante e conduzido para a Delegacia de Paulista, também no Grande Recife.
 
Ele passará por audiência de custódia na sexta-feira (23), no Fórum de Olinda, no Grande Recife, onde ficará à disposição da Justiça.
O suspeito foi autuado por desacato, injúria e ameaça contra a oficial de Justiça, 
 
História
 
Luciano recebeu uma intimação há 20 dias por causa de uma medida protetiva, prevista na Lei Maria da Penha,  por cometer o crime de violência doméstica. 
 
O primeiro contato da oficiala de Justiça com o suspeito foi feito por telefone.
 
Assim, o homem obteve o número dela e salvou o contato da profissional. 
 
Como foi
 
Nessa ligação, a oficiala de Justiça recebeu uma chamada de Luciano, por  WhatsApp, e disse ter recebido ameaças. 
 
Em entrevista exclusiva ao Diario de Pernambuco, a profissional contou que Luciano disse que iria "pegá-la" e afirmou ser integrante da facção criminosa conhecida como “Trem Bala", grupo criminoso que atua em diversas regiões do Estado, mas fortemente nas cidades de Ipojuca e Itamaracá, no Grande Recife. 

A oficiala disse também que o suspeito disse que "iria pegar a juíza de Igarassu e o juiz de Itamaracá”. 
 
A profissional acrescentou que Luciano a insultou, a chamando de "vagabunda". 

"Todas essas agressões verbais foram gravadas pela vítima, que apresentou o áudio às autoridades competentes", afirmou o sindicato dos Oficiais de Justiça do Estado (Sindojus). 

Diante de todas as queixas,  também registradas na  na Central de Plantões da Capital (Ceplanc), no bairro de Santo Amaro, na área Central do Recife, foi elaborado um boletim de ocorrência (BO) contra o suspeito.  
 
O boletim de ocorrência classifica os crimes como ameaça, desacato e injúria, todos dolosos e consumados.

“O Sindojus-PE está acompanhando de perto o caso e prestando todo o apoio necessário à Oficial de Justiça. Agradecemos ao presidente do TJPE Ricardo Paes Barreto, que de imediato destacou uma equipe para acompanhar o caso, ao delegado da assessoria policial do TJPE Germano Cunha, e ao delegado de Itamaracá, Gilmar Rodrigues, que ao tomar conhecimento do fato tomou todas as providências necessárias para a prisão do acusado ainda em flagrante”, destacou a entidade sindical por meio de nota. 

Depoimentos 

Em entrevista ao Diario, a oficiala de Justiça falou que após as ameaças, ela se sente amedrontada, contudo, não pretende pedir licença. 

“Estou firme e forte na luta. Porém, depois desse episódio, confesso que estou amedrontada. Não foi a primeira vez que recebi ameaças. A nossa profissão é de risco. A gente está na linha de frente, pois enquanto a Polícia Militar entra em comunidade com viatura, colete e arma, a gente entra com caneta e papel. Vamos para rua sozinhas. Itamaracá é muito pequeno e trabalhamos só”, falou a oficial de Justiça. 

“A resposta foi dada (prisão do suspeito) e a gente não vai abaixar a cabeça não. A luta é grande. No desenrolar das investigações, vamos ver como vai proceder. Mas continuo trabalhando firme e forte”, acrescentou a profissional. 

O presidente da Sindojus, Roberto Souto, afirmou que os oficiais de justiça estão muito expostos e ficam vulneráveis. 

“Quando os oficiais de Justiça vão fazer as intimações, principalmente hoje em dia, desde da pandemia de Covid-19, a gente pega os contatos telefônicos, coloca nos mandados para facilitar as comunicações processuais. Daí, os caras ficam com os contatos dos oficiais. E ele (Luciano) ficou com o contato da colega e cismou de falar um monte de barbaridades para ela, além de xingamentos e ameaças”, explicou o presidente do sindicato, que representa a categoria que conta, atualmente, com 1.250 profissionais no Estado.


A reportagem do Diario entrou em contato com o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), que por meio de nota, a corte informou que está apurando o caso. 

A equipe do Diario também procurou a Polícia Civil para saber mais detalhes sobre a prisão do suspeito e aguarda retorno.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL