Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

DESPEDIDA

Velório do indigenista Bruno Pereira ocorre em Paulista, nesta sexta

Publicado em: 23/06/2022 11:34 | Atualizado em: 23/06/2022 11:38

Bruno foi morto, juntamente com o jornalista inglês Dom Phillips no Vale Javari.  (Mídias sociais/Reprodução)
Bruno foi morto, juntamente com o jornalista inglês Dom Phillips no Vale Javari. (Mídias sociais/Reprodução)
O indigenista Bruno Pereira, que faleceu aos 41 anos, após desaparecer no Amazonas, acontecerá, nesta sexta-feira (24), no Cemitério e Crematório Morada da Paz, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife, a partir das 9h. A cremação está marcada para às 15h. 

Para homenageá-lo e proporcionar um espaço de envio de mensagens e orações, o cemitério disponibilizou uma página exclusiva que pode ser acessada no endereço: https://www.moradadamemoria.com.br/memorial/21118/bruno-pereira.

Nascido no Recife, Bruno Pereira deixou Pernambuco, em meados dos anos 2000, para seguir o sonho de trabalhar na Amazônia. Foi servidor de carreira da Fundação Nacional do Índio (Funai), e reconhecidamente defensor das causas indígenas. Casado com a antropóloga Beatriz Matos, o indigenista deixa três filhos.

Relembre a trajetória
Bruno da Cunha Araújo Pereira, o indigenista pernambucano que acompanhava o jornalista inglês Dom Phillips, colaborador do jornal The Guardian, pelo Vale do Javari, foi estudante de jornalismo na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). 
 
O recifense não chegou a concluir o curso pois, segundo seu amigo há mais de 20 anos Leonardo Sette, seu interesse havia mudado. No entanto, ele era descrito pelos seus colegas como um aluno de extrema inteligência. 
 
Bruno também iria participar da produção de um filme, com o apoio da Funcultura, inspirado em seu trabalho de proteção dos povos indígenas isolados.

Ele também trabalhou no INSS no Recife, onde já nutria o sonho de lutar pela preservação da Amazônia e dos povos indígenas isolados. Foi então que ele conseguiu um trabalho no programa ambiental da hidrelétrica de Balbina, no Amazonas. 
 
Bruno Cunha, como era conhecido em sua infância, era uma pessoa alegre e extrovertida que se dava bem com todos. Segundo seus colegas de escola, desde criança ele já demonstrava espírito de liderança e visão ativa por mudanças. 
 
André Duarte, jornalista e colega de escola do indigenista, escreveu em suas redes sociais que "sua coragem, hoje conhecida internacionalmente, já se revelava nas entrelinhas daqueles anos felizes entre 1996 e 1998. Defendia os amigos e assumia a culpa por broncas alheias".
 
Trajetória na Amazônia
Bruno Pereira foi aprovado no concurso da Fundação Nacional do Índio (Funai) e escolheu ir para o Vale do Javari, mesmo local onde desapareceu no domingo (5)  pois é a região com maior concentração de populações indígenas isoladas do mundo.
 
O Vale do Javari, além de estar próximo à segunda maior terra indígena do Brasil, com uma população de 6.300 pessoas de 26 etnias, 19 das quais vivem completamente isoladas, também possui forte presença do narcotráfico, devido a sua localização remota e fronteiriça com o Peru e a Colômbia.
 
Sette, que junto  ao amigo, trabalhava também em produções audiovisuais na Amazônia, afirma que o indigenista começou a ter atitudes combativas com relação a crimes assim que ingressou na Funai de Atalaia do Norte,  e que por essa razão conseguiu rapidamente o cargo de coordenador.
 
Ameaças constantes
Por suas ações combativas ao tráfico e de defesa aos direitos dos povos indígenas, como acesso às urnas eletrônicas, levadas as aldeias através de helicópteros, e uma maior facilidade ao sistema de saúde. Bruno, sofria constantes ameaças de traficantes e pressões de setores ruralistas ligados ao presidente.
 
Um amigo do indigenista, que preferiu não se identificar, afirmou na sexta-feira (10) que ele foi ameaçado por um dos suspeitos presos um dia antes de desaparecer com o jornalista inglês Dom Phillips, no domingo (5).
 
Nesta quarta, dois dos suspeitos presos pela Polícia Federal, confessaram ter assassinado Bruno e o jornalista inglês Dom Phillips.
 
*Contêm informações retiradas do G1.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Desemprego cai a 9,8% entre março e maio no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com o deputado federal Daniel Coelho e com a Dra. Magda Maruza
Registro de armas dispara no Brasil durante governo Bolsonaro
Manhã na Clube: Diogo Moraes (PSB) e Alexandre Henrique (PSOL), pré-candidato a dep. estadual
Grupo Diario de Pernambuco