Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

OBRA

Prefeitura avança na demolição de prédio condenado no Bairro do Recife

Publicado em: 12/06/2022 15:06

 (Imagem: Vídeo - Iggor Gomes/PCR.)
Imagem: Vídeo - Iggor Gomes/PCR.
A Prefeitura do Recife avança na demolição do imóvel número 88 da Rua da Guia, no Bairro do Recife, iniciada no último sábado (11) e que segue neste domingo (12) e durante a semana. A decisão foi tomada por razões de segurança, baseada em levantamento técnico da Secretaria Executiva de Defesa Civil (Sedec). Atendendo a uma solicitação de vistoria após relatos de ruídos de estalos na edificação, foi realizada, nos últimos dias 5 e 6, uma vistoria técnica que identificou a intensificação de problemas estruturais já notados em outras ocasiões, entre eles a inclinação da edificação.

No laudo foi recomendada a demolição urgente do imóvel, de modo a salvaguardar a integridade física de transeuntes e das edificações do entorno. “Acompanhamos a situação desse prédio há mais de dez anos. Em nova vistoria, percebemos um agravamento significativo na estrutura. Diante disso, foi necessário tomar providências como o isolamento de todo o perímetro e agilizar o processo de demolição”, explica a gerente-geral de Engenharia da Defesa Civil do Recife, Elaine Hawson. O entorno do prédio foi isolado com prismas de concreto.

Além da Defesa Civil, participam do trabalho a Secretaria Executiva de Controle Urbano (Secon) e o Gabinete do Centro do Recife (Recentro). “Por se tratar de uma área de proteção histórica, a demolição exige muitos cuidados e precisa ser feita de forma criteriosa. Vai ser um trabalho mecanizado, utilizando um guindaste com uma tesoura na ponta, que corta o concreto sem causar impacto na estrutura. Esse método vai ser usado nos três pavimentos mais altos, de forma que não haja risco para as edificações vizinhas”, complementa Elaine. A previsão é que o trabalho dure até três meses, mas novas orientações podem ser dadas com o avanço da demolição. 
 (Imagem: Vídeo - Iggor Gomes/PCR.)
Imagem: Vídeo - Iggor Gomes/PCR.
HISTÓRICO - O imóvel em questão tem um histórico de notificações por falta de manutenção, o que levou o município a ingressar na Justiça para que os proprietários realizassem, como prevê a lei, os devidos reparos na edificação. Ao longo dos anos, a Prefeitura seguiu todos os trâmites administrativos e judiciais para que o serviço de recuperação fosse realizado pelos proprietários. Considerando o elevado grau de comprometimento estrutural do imóvel, visualmente agravado ao longo dos anos pela ausência de manutenção mesmo após várias notificações por parte do poder público, a Defesa Civil avaliou como necessária a demolição da estrutura - pelo elevado risco estrutural, possibilidade de evolução acelerada das patologias prediais e elevado risco aos imóveis do entorno, veículos e transeuntes.

Os órgãos de preservação do patrimônio - em especial o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) - foram informados acerca da situação. Além disso, o Recentro estabeleceu contato com os comerciantes e empreendedores que têm estabelecimentos na área do perímetro de interdição no sentido de orientá-los quanto às próximas etapas do processo. Todos os proprietários de imóveis que estão dentro do perímetro da interdição foram contatados e alertados quanto à urgência, por questões de segurança, da desocupação da área pelo tempo que durar o serviço de demolição. A Prefeitura mantém a disposição de dialogar com a categoria, reiterando a importância de salvaguardar a integridade física das pessoas.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Suspeito de ataque a tiros com seis mortos é detido nos EUA
Manhã na Clube: entrevistas com o pastor Wellington Carneiro e Alexandre Castelano
Planta gigante, prima da vitória-régia, é descoberta em Londres
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Grupo Diario de Pernambuco