Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

ESCOLINHA

Futebol como ponte na formação de cidadãos

Publicado em: 28/04/2022 14:11 | Atualizado em: 28/04/2022 14:16

 (Foto: divulgação)
Foto: divulgação
Com intuito de mudar a realidade de crianças e jovens do Alto do Pereirinha, no Bairro de Água Fria, Zona Norte do Recife, a Escolinha Pereirinha Futebol Clube foi fundada no ano de 2009. Atualmente, 150 famílias são beneficiadas pelo trabalho da instituição, que desenvolve atividades de futebol, capoeira, reforço escolar e entrega de cestas básicas. Mesmo com todo esforço para realização do projeto, a organização se encontra numa fase financeira delicada e ressalta a necessidade das pessoas doarem para seguir atendendo seu público.

O fundador e técnico da escolinha, Elias Marques, conta que o nome da escolinha faz referência a um time de futebol, o Pereirinha Futebol Clube, que funcionou no mesmo local, de 1978 a 1990. “Durante um domingo, em 2009, as crianças da comunidade brincavam e conversavam na rua, escutei e percebi que a conversa não tinha nada a ver com futebol e nem com a idade delas. Me espantei ao perceber que a localidade onde nasci, tinha mudado para pior, se tornando violenta e com alto índice do tráfico de drogas”. Elias disse aos garotos que antigamente existia um time chamado Pereirinha e que seria possível reativá-lo como uma escolinha. “No dia marcado, haviam 46 meninos esperando para jogar futebol, não tinha bola, nem material. Fui falar com o antigo presidente do Clube Pereirinha e pedi o material dos jogos que estavam guardados emprestado, depois quando fui entregar, ele falou que poderíamos ficar”. 

O futebol se mostrou um grande aliado ao bom desempenho escolar das crianças e jovens inscritos na escolinha.  As boas notas e a aprovação anual se tornaram requisitos para participar da escolinha. “Percebemos que os garotos que estão envolvidos no projeto ao longo do tempo, passaram a estudar mais, porque falamos que para poder participar da escola de futebol, só quem estivesse estudando e passando de ano, foi um estímulo. Tinha menino que não estudava, mas era porque faltava acompanhamento da mãe, por exemplo. Então, começamos a arrumar vaga de reforço da minha esposa que é professora. Nosso objetivo é formar cidadãos, não é futebol pelo futebol. É o futebol usado como ferramenta para formar cidadãos. Esse é o nosso maior propósito”, destacou o fundador da entidade.

Além das ações do futebol e do reforço escolar, a instituição também oferece aula de capoeira e distribui cestas básicas para famílias da região atendida. Uma iniciativa recente da organização, é uma parceria com a Petrobrás e o projeto União BR, que possibilitou a doação de um botijão de gás a cada dois meses para as pessoas. “Doamos cestas básicas, uma vez por mês, a 150 famílias. Mas, no momento não estamos conseguindo atender esse número, praticamente dependemos de doação. Tem mês que entregamos 30 cestas, pois depende do que recebemos. Vamos às casas dos moradores para sabermos quem está com maior dificuldade, infelizmente, como não podemos atender a todos, ajudamos aqueles em situação mais crítica. A doação do botijão de gás será pelo período de um ano, são seis botijões durante 2022. Será bom, porque o dinheiro que eles usavam para comprar o gás, pode ser empregado para outra coisa”, afirmou o técnico da escolinha. 

O início da pandemia foi o período em que houve mais doações, vinda das pessoas que apoiam as ações. Porém, neste período, as contribuições estão praticamente zeradas, sendo um obstáculo à continuidade dos trabalhos. “Nós participamos de competições, somos um time de futebol de várzea. Apesar da dificuldade continuamos na batalha, porque faltam recursos neste momento. Nossa grande dificuldade é captar recursos para competições e para material da escolinha de treino e de jogo, como chuteira e colete. Os jogos têm os custos, arbitragem, transporte”, detalhou o Elias. 

"Algumas das crianças e jovens iam para o projeto com fome, porém com uma alegria, como que tivessem tudo na vida. Com a bola, era um momento de festa. Muitos deles só tomavam café depois do treino, ou seja, vinham para escolinha só para depois tomar café, tendo garotos que chegaram a desmaiar. Por isso, agora, fazemos um lanche antes do jogo. Eles têm uma realidade totalmente diferente da nossa. O importante é ajudar para que possamos ajudar”, destacou o fundador sobre as dificuldades enfrentadas pelos jovens. 

As pessoas interessadas em doar cestas básicas e material para o treino das crianças e adolescentes podem entrar em contato com a escolinha, por meio do telefone (81) 98810-0010 ou pela rede social Instagram do projeto, @pereirinhafc. Para colaboração em valores, acontece pelos dados: Caixa Econômica Federal; agência: 0048; conta: 17368-5; operação: 013 (poupança); CNPJ: 12.586.772/0001-36 ou pelo Pix: 12.586.772/000-36. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Ataque a tiros em escola nos EUA deixa 21 mortos
Para OMS, varíola do macaco ainda pode ser contida
Manhã na Clube: Henrique Queiroz Filho (PP), Edno Melo (Republicanos) e André Morais (CORECON-PE)
Soldado russo condenado à prisão perpétua por matar civil na Ucrânia
Grupo Diario de Pernambuco