Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

COVID-19

Variante Ômicron corresponde a mais de 90% de testes sequenciados

Publicado em: 21/01/2022 18:49

 (Foto: Pixabay / Reprodução)
Foto: Pixabay / Reprodução
Mais um relatório de circulação de linhagens de SARS-CoV-2, elaborado pelo Instituto Aggeu Magalhães (IAM/Fiocruz-PE) e divulgado nesta sexta-feira (21) pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), apontou a prevalência da variante Ômicron no território pernambucano.

Dos 158 genomas analisados, 145 (91,8%) foram identificados como linhagem Ômicron e 13 amostras (8,2%) foram identificados como linhagem Delta. As amostras analisadas foram coletadas entre os dias 28/12/2021 e 13/01/2022. Na última sexta-feira (14/01), a prevalência da variante Ômicron foi de 68% nas amostras analisadas.

Os casos de Delta foram registrados a partir da coleta de pacientes provenientes das cidades: Araripina (1), Cabrobó (4), Recife (6), Petrolina (1) e Serra Talhada (1). Já as amostras coletas que registraram a variante Ômicron, foram de Recife (94), Fernando de Noronha (45), Paulista (2), Carnaubeira da Penha (1), Sertânia (1), Garanhuns (1) e Jaboatão dos Guararapes (1). 

"Por meio de nossa parceria com a Fiocruz-PE temos ampliado constantemente e agilizado o sequenciamento genético no Estado. Ontem anunciamos que, segundo análise da Opas/OMS, Pernambuco é o segundo Estado do país que mais realizou sequenciamentos genéticos, detectando a presença da variante Ômicron. Isso não significa que o Estado tenha mais casos, mas que conseguiu detectar mais, a partir de parceria firmada com o Instituto Aggeu Magalhães, responsável por esse trabalho", comentou o secretário estadual de Saúde, André Longo.

De acordo com o secretário, nesse cenário de transmissibilidade da Ômicron, a importância da vacinação ganha ainda mais importância. "A variante ômicron tem uma capacidade de transmissão muito superior às outras variantes, conseguindo contaminar de forma recorrente até mesmo as pessoas que já estão vacinadas. No entanto, não podemos esquecer que mesmo que a vacina não nos deixe livres da infecção, a doença em não vacinados tem um impacto muito pior. O fato de não estar vacinado, ou só parcialmente vacinado, pode significar hospitalização e morte. Portanto, uma nova onda da Covid-19 terá seu tamanho e gravidade diretamente proporcional à cobertura vacinal completa que tivermos. Por isso, precisamos vacinar o maior quantitativo possível de pessoas, e rápido. Além disso, também é fundamental o respeito aos protocolos e o reforço nos cuidados para minimizar a aceleração viral e evitar ainda mais pressão sobre a rede de saúde", afirmou Longo.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Soldado russo condenado à prisão perpétua por matar civil na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com o Deputado Federal Carlos Veras (PT)
Última Volta: GP da Espanha 2022 de F1
Antiproibicionismo: Marcha da Maconha por uma nova política de drogas
Grupo Diario de Pernambuco