Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

SAÚDE

SES-PE investiga se idosa que morreu no HR tinha superfungo no organismo

Publicado em: 13/01/2022 11:05 | Atualizado em: 13/01/2022 13:16

 (Foto: Arquivo DP)
Foto: Arquivo DP
A Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE) está investigando a morte de uma mulher, de 70 anos, que estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital da Restauração, localizado na área central do Recife, e teve o exame sugestivo para o fungo Candida auris. Ela foi atendida pela unidade de saúde no dia 24 de novembro de 2021 e faleceu no dia 30 de dezembro. A pasta informou que segue aguardando o resultado da análise laboratorial do Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen-BA) para confirmar ou descartar a suspeita. A Candida auris é um fungo que pode causar infecções invasivas, além de ser multirresistente a fármacos comumente utilizados para tratar infecções por Candida.

Além da suspeita, a Secretaria confirmou um caso de Candida auris em um paciente que ficou internado no Hospital da Restauração (HR) e recebeu alta no final do último mês de dezembro. Um exame de urina do homem de 38 anos levantou a suspeita do micro-organismo. O Lacen confirmou a presença do fungo na segunda-feira (10).

Outro caso em investigação refere-se a um homem de 46 anos, também admitido pela emergência de trauma do HR, no dia 13 de dezembro. Ele está na UTI e sem nenhum sintoma relacionado à infecção pelo fungo. A SES informou que o exame laboratorial sugestivo da unidade hospitalar saiu na terça-feira (11) e a amostra também será encaminhada para o Lacen da Bahia.

O fungo, de ocorrência hospitalar, pode causar infecção de corrente sanguínea e outras infecções invasivas, podendo ser fatal, principalmente em pacientes imunodeprimidos ou com comorbidades. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ainda não se sabe o mecanismo de transmissão, acreditando-se que é por meio de contato com superfícies ou equipamentos contaminados. O órgão emitiu, em 2017, um comunicado orientando sobre a vigilância laboratorial de Candida auris no Brasil, que teve seu primeiro caso confirmado em dezembro de 2020, na Bahia. O tratamento vai depender da avaliação médica e do grau de infecção. 

A Coordenação Estadual de Prevenção e Controle de Infecção de Pernambuco (CECIH-PE) informou que está apoiando a unidade hospitalar, desde a identificação do primeiro caso suspeito, nas atividades para evitar novas contaminações pelo micro-organismo, tendo realizado visita técnica e, atualmente, permanecendo no monitoramento das atividades. As ações consistem em higienização (limpeza e desinfecção) dos ambientes, higienização das mãos, monitoramento sistemático de contactantes, a partir de cultura de vigilância, e isolamento dos casos suspeitos.

A SES-PE reforçou que as ações de monitoramento estão sendo realizadas pelo serviço de saúde juntamente com a Apevisa, Lacen PE e BA, Laboratório Especial de Micologia da Escola Paulista de Medicina (LEMI - Unifesp), Anvisa e os Centros de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs nacional, Pernambuco e Recife).




 
 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Augusto Coutinho (Solidariedade) e o psicólogo Carol Costa Júnior
Morre Olavo de Carvalho, considerado guru do bolsonarismo
Manhã na Clube: entrevistas com André de Paula (PSD), Eduardo Cavalcanti e Epitacio Rolim
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Grupo Diario de Pernambuco