Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

CRIME

MC Boco é assassinado a tiros durante show em Ipojuca, no litoral sul

Publicado em: 26/12/2021 10:10 | Atualizado em: 26/12/2021 19:26

 (Reprodução/Instagram)
Reprodução/Instagram
Paulo Roberto Gonçalves Cavalcanti, mais conhecido como MC Boco do Borel, de 34 anos, foi assassinado a tiros na madrugada deste domingo (26), em um bar em Serrambi, município de Ipojuca, no litoral Sul pernambucano. O cantor se apresentava no local quando foi alvejado por 15 tiros por um homem com uma touca ninja. Conhecido como um dos pioneiros do brega funk junto com MC Sheldon, Boco deixou um legado, mulher e quatro filhos.

O corpo de MC Boco do Borel será velado ainda na noite deste domingo (26), a partir das 19h, no Cemitério de Santo Amaro, que será inicialmente restrito a familiares e amigos próximos. No entanto, o velório será aberto ao público na manhã da segunda-feira (27), às 10h. O sepultamento será às 11h. 

O assassinato de Boco ocorreu no Aconchego Bar, em Serrambi. De acordo com a Polícia Civil na manhã deste domingo (26), em nota, o cantor estava com perfurações de arma de fogo. Até esta manhã, ninguém tinha sido preso e também não se sabe a motivação do crime, que está sendo investigado.

Segundo o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa, um homem com uma touca ninja chegou em frente ao palco e efetuou vários disparos de arma de fogo. O bar não tinha câmeras de segurança.

A perícia informou que foram 15 perfurações por todo o corpo do MC, inclusive na cabeça. Ele chegou a ser levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Serrambi, mas não resistiu aos ferimentos.

A esposa de MC Boco, Allyne Cristina, pediu por justiça nas redes sociais. Ela falou, ainda, para parar de "achismo" sobre a motivação da morte do marido. "Parem de achismo ou afirmar coisas que vocês não sabem, que foi morto porque era envolvido com crime, associando a morte com a prisão dele. Ele não era traficante, bandido e muito menos envolvido com nada. Era apenas um cantor que se dava bem com todos os tipos de pessoas", disse.

"Boco era um profissional, não devia, entrava e saia em qualquer lugar. Se ele devesse, como que um cara iria ter uma profissão de cantor, sabendo que teria que entrar em vários locais para fazer shows? Foi uma covardia, a verdade foi essa. A capacidade do ser humano, aliás, não sei se posso chamar de ser humano, subir em um palco para tirar a vida de um artista (pai, esposo, filho) que chegou na casa de show e ficou esperando seu horário de tocar. As pessoas não sabem de nada, absolutamente nada. Acho que ficou claro, meu marido foi assassinado friamente por ser esse cara que ele sempre era", lamentou Allyne, com revolta.

O discurso da esposa de Boco foi porque o cantor havia sido preso em junho do ano passado com mais três homens por estar com 670 gramas de derivado de pasta base de cocaína. Ele ficou em prisão preventiva até outubro deste ano, quando foi liberado. Na época, a assessoria negou o envolvimento do artista, "ele estava no local errado e na hora errada".

A dupla Sheldon e Boco, que deu o pontapé no brega funk do Recife em 2007, cantou junto até 2014, quando MC Sheldon decidiu seguir carreira solo. A dupla e as músicas são muito marcantes não só para o empoderamento do brega funk, da favela, e da sua história, mas também para quem gosta do ritmo. "O que eu e Boco viveu junto não tem como apagar. Com ele foi embora a metade da minha trajetória, da minha carreira e isso me dói muito. Quantas coisas eu e aquele cara passamos juntos, quantas guerras, quantos sofrimentos, quantas conquistas?", questionou MC Sheldon nas redes sociais.

Quando existia a dupla Sheldon e Boco, cada um tatuou o nome do outro no braço em referência a irmandade e parceria não só na música, mas também na vida.
 (Foto: Reprodução)
Foto: Reprodução

Sem se falar desde 2020 por conta da gravação do DVD romântico "Com amor, Sheldon", que Boco não foi convidado pelo seu estilo musical "não ter nada a ver com romantismo", Sheldon contou que tinha esperanças deles voltarem a se falar. "Eu imaginava que eu e ele ia se trombar pela rua e ia ser do jeito que sempre foi. A gente se abraçava quando ficava de mal. Pensei que a gente ia se trombar por algum baile, mas não foi assim porque não é como a gente pensa. O tempo é de Deus".

MC Sheldon lembrou da história da dupla e pediu perdão ao amigo, "tivemos uma história de irmandade". "Juntos, superamos o preconceito. A gente superou os obstáculos da vida durante uma geração e é até meio estranho para mim falar dessa forma. O Boco se foi, não está mais aqui entre nós, e o que me deixa mais triste ainda é que eu não pude dizer o quanto eu amava ele, o quanto eu sentia muito por eu e ele não se falar", lamentou.

Vários cantores, MCs, DJs do movimento brega funk e também de fora dele se manifestaram nas redes sociais em luto pela morte de Boco, como a cantora Eliza Mell, MC Japão, Dadá Boladão, MC Vertinho, Maneirinho do Recife. MC Leozinho do Recife, também "das antigas", lamentou a perda do amigo. "Deixo aqui meus sentimentos a toda sua família e amigos. O brega funk está de luto. Iremos sentir muito sua falta, mano". Recentemente, MC Leozinho fez diversos trabalhos em parceria com Boco. 

TAGS: sul | litoral | no | ipojuca, | em | show | durante | tiros | a | assassinado | é | boco | mc |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Padre Arlindo
Ômicron começa a recuar nos Estados Unidos
Manhã na Clube: entrevista com Paulo Pimentel, advogado tributarista e professor da ITS EDU
Segundo a ONU, 2021 foi um dos sete anos mais quentes da História
Grupo Diario de Pernambuco