Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Especialista alerta sobre o cuidado com o pé diabético

Publicado em: 10/11/2021 10:31 | Atualizado em: 10/11/2021 11:49

A partir de um exame de sangue simples, casos de diabetes podem ser diagnosticados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). (Foto: Marcos Santos/USP Imagens/Fotos Públicas)
A partir de um exame de sangue simples, casos de diabetes podem ser diagnosticados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). (Foto: Marcos Santos/USP Imagens/Fotos Públicas)
Com a proximidade do Dia Mundial de Combate ao Diabetes, no próximo domingo (14), o cirurgião vascular da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV), Bruno Canto, alerta sobre o cuidado com o pé diabético. O pé diabético, que se apresenta em pacientes com Diabetes Mellitus, é uma complicação crônica da doença e com um dos maiores impactos sociais, pois é a principal causa de amputações de membros inferiores, com origem não traumática, e da diminuição da qualidade de vida do paciente.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), estima-se que, mundialmente, ocorram duas amputações por minuto por conta do pé diabético, sendo que 85% destas são precedidas por úlceras (feridas).  “O paciente diabético precisa ter a consciência de controlar o açúcar no sangue. As feridas desse grupo são graves e precisam, diariamente, de um cuidado muito específico e especial”, diz o cirurgião vascular.

O médico explica que a doença se caracteriza por alterações vasculares e neurológicas e, assim, surge o aparecimento dessas feridas (úlceras) que podem complicar com infecções. Esses machucados têm uma cicatrização mais demorada e bem mais difícil. O pé diabético causa dor, formigamento, desconforto, vermelhidão, arroxeamento, ressecamento da pele, perda de sensibilidade. Além de inchaço, formigamento, fraqueza.

O tratamento depende do grau das lesões. Em feridas não infeccionadas, o tratamento pode consistir na limpeza e no uso de curativos especiais. Em casos onde ocorre infecção, será necessário o uso de antibióticos por via oral ou endovenosa (aplicado na veia), dependendo das condições da circulação sanguínea do paciente.

Existem ainda métodos mais modernos, como a oxigenoterapia hiperbárica, utilizados em feridas muito avançadas. Nessa modalidade terapêutica, o paciente fica dentro de uma máquina, chamada câmara hiperbárica, com pressão atmosférica reduzida e concentração de oxigênio a 100%, o que estimula a formação do colágeno e a cicatrização dos tecidos.

“É possível curar o pé diabético com um tratamento adequado para cada caso, evitando assim a amputação. O acompanhamento com o cirurgião vascular é imprescindível e, uma vez diagnosticado o pé diabético, é necessário uma assistência multidisciplinar, para evitar uma evolução negativa do quadro, destaca Bruno Canto.

O cirurgião vascular faz também um alerta para o período da pandemia. “O diabético faz parte do grupo de risco e caso seja infectado pelo novo coronavírus pode desenvolver complicações da doença. Mais um motivo para que esse tipo de paciente busque o controle do açúcar no sangue. Além de manter uma dieta equilibrada e praticar exercícios físicos”.
TAGS: especialista | alerta | sobre | o | cuidado | com | o | | diabético |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com o deputado estadual Eriberto Medeiros (PP), presidente da Alepe
Unicap continua com as inscrições abertas para Vestibular 2022
Bruno Becker, da chapa Náutico Sustentável, divulga projetos para o Timbu
Manhã na Clube: entrevista com o deputado estadual Romero Sales Filho (PTB)
Grupo Diario de Pernambuco