Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

AÇÃO SOCIAL

Avipa pede doações para realizar ação social com crianças da comunidade do Coque

Publicado em: 05/10/2021 19:56 | Atualizado em: 05/10/2021 20:19

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação
O mês de outubro carrega um significado enorme para a Associação dos Amigos da Vila do Papelão (Avipa), apelidada de “Casinha” pelos acolhidos da entidade. Além de ser o mês dedicado à preservação da infância e da felicidade das crianças, é também o mês que marca a comemoração de mais um ano de atividades da ONG na comunidade do Coque, área central do Recife, de acordo com Laurimar Thomé, coordenadora geral, e uma das fundadoras, da Avipa.

Laurimar relata que já são 17 anos de presença da Avipa no Coque, todos repletos de muita luta, companheirismo e paixão pelo trabalho de ajudar quem mais precisa. A coordenadora geral explica que o termo “Casinha”, como a associação é conhecida, refere-se aos aos pequenos imóveis que eram alugados para acolher as pessoas e realizar as atividades. Para comemorar o mês das crianças e a trajetória de resistência, a entidade realizará, no final de outubro, um evento beneficente a céu aberto para a criançada da comunidade, com muita comida e brincadeira.

“Estamos buscando arrecadar dinheiro para fazer um lanche especial, com direito a bolo, salgados e doces, e todo tipo de divertimento e guloseimas que as crianças merecem, mas  passaram tanto tempo sem ter. Os desafios são muitos e precisamos de toda ajuda possível, porque temos a previsão de atender mais de 300 crianças, pois a festa será em local aberto e acolherá qualquer criança, mesmo as que não estiverem inscritas no projeto”, afirmou a coordenadora geral da Avipa.

Laurinha, como Laurimar é carinhosamente chamada, relatou que, no cotidiano da comunidade, diferentemente do que acontece no imaginário popular, as crianças não têm tempo para brincar e aproveitar a infância, porque, dentro do contexto de vida dos seus habitantes, essa atividade é vista como algo secundário, sem importância. “Isso afetava as crianças, que necessitavam desse tipo de interação, dessa atenção mais afetiva, voltada para o lazer e para aprendizagem, então nós realizamos essas atividades com as crianças, com o intuito de suprir essa necessidade de atenção, porque a carência delas ia muito além do fator material”, expressou.

Com as atividades para crianças e ações sociais para os familiares, o trabalho da Avipa foi crescendo com o tempo, e passou de atender 70 famílias, em 2004, para atender mais de 100. Segundo Laurimar, atualmente, devido a pandemia, e com base nos cadastros que a entidade costuma fazer, a Casinha está atendendo cerca de 250 crianças, sem contar com aquelas que ainda não possuem cadastro, mas que a ONG consegue oferecer assistência às famílias.

Por causa da pandemia, a entidade tem observado uma forte diminuição nos números recentes de doações. Isso se deve por causa dos tempos difíceis, em conjunto com o fato de que a associação só recebe doações de pessoas físicas, pois ainda não existe nenhuma parceria com empresas ou convênio com municípios, fator esse que aumenta os problemas relacionados à fome e outras necessidades básicas.

“Por isso queremos reabrir a Casinha, porque ela, além de ser uma organização não governamental sem fins lucrativos, em que todos que atuam nesse projeto são voluntários sem remuneração, também tinha a característica especial de ser um local voltado para o acolhimento e a diversão das crianças nos fins de semana, quando abria as portas com horários pré-estabelecidos para as atividades, brincadeiras e oficinas interativas. Fazíamos excursões, oficinas de ioga, brincadeiras recreativas, contação de histórias e atividades culturais, de percussão e de artes, tudo para trazer alegria e educação às crianças”, explicou Laurimar.

Com a maioria dos voluntários já vacinados, a Casinha tem planos para retomar às atividades no início de novembro, após a festa das crianças. A associação receberá o suporte do grupo de jovens, que um dia foram as crianças atendidas e que agora vão ajudar as novas crianças da comunidade. As atividades presenciais estão previstas para acontecer na casa atual da Avipa, que também é alugada, mas que o grupo sonha em poder comprar, algum dia, para estabelecer ali sua sede, definitivamente. Em 2020, a entidade recebeu doações para conseguir realizar reformas emergenciais no imóvel.

“Não ficamos parados nesses tempos de dificuldade, e auxiliamos as famílias da comunidade do Coque da melhor forma que conseguimos, principalmente no combate à insegurança alimentar, mas sentimos a necessidade de retomar a campanha para ter uma sede própria, porque a gente pretende que esse trabalho não acabe, nunca, e possa se expandir cada vez mais, porque é através do ato de brincar e acolher as crianças que há esse resgate da infância, em meio à vulnerabilidade, e isso nos dá a esperança de que tudo, um dia, possa melhorar para todos”, expressou Laurimar Thomé, coordenadora geral da Avipa-Casinha.

Para ajudar a Associação dos Amigos da Vila do Papelão, os interessados podem entrar em contato através dos números (81) 99632-9146 ou (81) 9 8699-5153. As doações podem ser feitas pelo PayPal, pelo Pix, através da chave CNPJ: 11.195.627/0001-61 ou pela conta do Banco do Brasil, Agência: 2889 Conta Corrente: 30994-X 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Destaque do Náutico, meia Jean Carlos completa 100 jogos com a camisa alvirrubra
Baixas na equipe de Guedes
Trump anuncia planos para lançar nova rede social
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
Grupo Diario de Pernambuco