Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

PANDEMIA

Mesmo com alta de casos nas últimas 24 horas, Pernambuco tem redução nos indicadores da Covid-19

Publicado em: 01/09/2021 18:38 | Atualizado em: 01/09/2021 19:27

 (Foto: Divulgação )
Foto: Divulgação
Em coletiva realizada nesta quarta-feira (1º), o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo, minimizou a oscilação para cima de novos casos de Covid-19 em Pernambuco registrados no boletim mais recente. Ao apresentar os números da semana epidemiológica 34 ele destacou que há uma variação nas últimas quatro semanas, mas apontou outros indicadores, como solicitações de vagas em UTI em queda.
 
Foram registrados 1.057 novos casos da Covid-19 nas últimas 24 horas em Pernambuco, que não via quatro dígitos há 17 dias. A quantidade de vidas perdidas registradas também teve um aumento, com 28 óbitos. No entanto, Longo explicou que nem todos os casos registrados são de ontem. "São, por vezes, casos que ficaram represados para a notificação em algum município. Se ele atrasou a entrada dos dados, há uma repercussão que acaba quebrando a dinâmica que vinha de estabilidade e queda. A mesma coisa serve para o número maior de óbitos anunciados hoje, isso também se deve a atrasos nas notificações por parte dos serviços do município, não há que se creditar isso a um descontrole neste momento. Esta última semana foi com indicadores bastante positivos em Pernambuco", explicou. 

O titular da Saúde também apresentou índices, mostrando que nas notificações de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) o estado registrou o menor número deste ano. Ao todo, foram 370 notificações, uma redução de 22% em relação a semana 33, e de 13% na comparação com a semana 32. "É importante destacar a positividade para Covid nos casos graves também está em queda. Essa proporção já foi de 37% em maio, e está variando nas últimas quatro semanas, mas está inferior a 10%. Na semana que passou, registramos 291 solicitações por vagas de UTI, uma redução de 2,6% em uma semana e de 12% em 15 dias. Assim, a ocupação de leitos continua caindo e especificamente hoje temos cerca de 425 pacientes nas UTIs públicas e em torno de 100 na rede privada".

O secretário contou que o período de maior sazonalidade foi até o começo de junho, e o pequeno pico de ocorrência de doenças respiratórias não se deve necessariamente ao vírus da Covid-19, mas é um padrão que o Estado se repete todos os anos, mesmo sem pandemia. "Fui advertido que alguns serviços privados notaram um aumento de procura de sintomas gripais leves, não eram quadros de síndromes graves. Há outros vírus circulando em Pernambuco que podem estar sendo responsáveis por esse aumento e que se notou em alguns serviços privados. Não notamos isso nas estruturas públicas, não houve esse aumento que pudesse ser notado e isso não se reverteu em um aumento de positividade para Covid-19. Muito pelo contrário, temos as menores taxas de positividade de toda a série histórica desse período de enfrentamento. Nós não creditamos isso ainda e nem podemos creditar a variante Delta", reafirmou.

Longo relatou que até o momento nenhum município teve destaque no Testa PE, o serviço que distribui kits de testagem em massa para as prefeituras. "Ainda não notamos nenhuma ocorrência mais importante em nenhuma região do estado. A distribuição é uniforme e ainda estamos pegando os primeiros dados. No último levantamento tínhamos pouco mais de 5 mil testes realizados. Desse total, 415 foram positivos, representando uma positividade em torno de 8%. A gente reforça a importância do teste de antígeno e estamos estimulando que os municípios possam trabalhar de forma articulada com a sua atenção primária e os programas de saúde da família. Amanhã, às 10h, o Estado vai fazer um reforço e abrir um posto de testagem no TIP (Terminal Integrado de Passageiros) para fomentar a testagem das pessoas que estão circulando em locais de grande circulação. A gente espera que nos próximos dias e semanas bater a meta de seis meses para testar, no mínimo, 10% da população".  

Galo da Madrugada 
O tema do maior bloco de Carnaval do mundo, o Galo da Madrugada 2022, foi anunciado nesta quarta-feira (1º), "Viva a vida, viva o frevo". O tema é um apelo para que os foliões reflitam a importância da vida, tendo em vista a pandemia da Covid-19. Na coletiva da Secretaria de Saúde desta quarta, André Longo enfatizou que "planejar e sonhar é permitido", e reafirmou o respeito pelas agremiações. "Precisamos respeitar essas instituições, agremiações. Elas trabalham com a possibilidade de ter um Carnaval ano que vem, como bem disse a secretária Ana Paula, o cenário epidemiológico ainda não está tão claro que possa nos permitir afirmar que vai ter eventos maiores no período tão longo de fevereiro. O contexto da pandemia ao longo do tempo é o que vai dizer", ressaltou.

"O comportamento das agremiações carnavalescas em 2021 foi exemplar. A gente não teve um problema, todas elas entenderam o contexto da pandemia. O Galo é patrimônio do Estado e obviamente gostaríamos muito de poder ter os eventos, mas ainda temos tempo para a tomada dessa decisão, ao longo das próximas semanas e meses", disse. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Após erupção do vulcão Cumbre Vieja, especialistas temem gases tóxicos
Manhã na Clube: Lucas Ramos (Sec. de Ciência e Inovação de Pernambuco) e dr. Catarina Ventura
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Grupo Diario de Pernambuco