Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

PRISÕES

Gangue do Rolex: pernambucano oferecia abrigo, no Ibura, aos demais suspeitos de integrarem a quadrilha

Publicado em: 08/09/2021 17:30 | Atualizado em: 08/09/2021 18:00

Delegado Felipe Monteiro, da 7ª Circunscrição de Boa Viagem (Foto: Sandy James/Esp.DP)
Delegado Felipe Monteiro, da 7ª Circunscrição de Boa Viagem (Foto: Sandy James/Esp.DP)
Três integrantes de uma organização criminosa conhecida como "Gangue do Rolex" foram presos em flagrante, no bairro do Ibura, na Zona Sul do Recife. De acordo com a Polícia Civil de Pernambuco, que apresentou os detalhes das prisões em coletiva de imprensa, na tarde desta quarta-feira (8), a quadrilha tinha atuação em Boa Viagem e nos arredores do bairro, efetuando roubos de relógios de grife, como os da marca Rolex. 

A prisão aconteceu na sexta-feira (3), no bairro do Ibura. Segundo o delegado da 7° Circunscrição, de Boa Viagem, Felipe Monteiro, o trio estava junto no momento da prisão e negou a prática dos crimes. De acordo com o delegado, a residência onde foram detidos pertence a um dos suspeitos, que tem 36 anos de idade e é natural de Recife. Ele utilizava o local para abrigar os demais integrantes da quadrilha. 

Após cerca de três meses de investigação, hoje a polícia trabalha com a possibilidade de ser um grupo com atuação interestadual, pois os outros dois suspeitos presos, de 20 e 28 anos de idade, são de São Paulo, local para onde parte dos produtos roubados eram levados. O mais velho, inclusive, havia sido preso há 15 dias e estava utilizando tornozeleira eletrônica. Segundo a polícia, ele foi identificado sob posse de uma moto que estava com a numeração errada. Seu conterrâneo também tem passagem pelo sistema carcerário - foi preso em fevereiro de 2020 -, no Paraná, também por roubo de relógio. 

Ainda de acordo com Monteiro, a polícia identificou que a maioria dos roubos praticados pela "Gangue do Rolex" na Capital pernambucana eram realizados em motocicletas. Segundo o delegado, também era comum que os envolvidos na quadrilha se passassem por entregadores de aplicativo para colocar em prática as ações. Alguns dos relógios da marca são avaliados em mais de R$ 100 mil. 

"Na maioria das vezes, eles se passavam por entregadores delivery ou mototaxistas e abordavam os carros nos momentos em que eles ainda estavam transitando. Identificavam a vítima que possivelmente estaria usando o relógio da marca Rolex ou outros de grande valor e no momento em que a vítima estava se deslocando ou descendo do veículo, elas eram abordadas por esses integrantes numa motocicleta, enquanto os outros elementos davam cobertura", explicou o delegado Felipe Monteiro. 

"A gente sabe que se trata de uma quadrilha específica, que tinha uma célula em Pernambuco, mas que a maioria deles era de outro estado, e depois que praticavam o crime voltavam para o seu estado de origem", continuou. 

Materiais apreendidos pela polícia na casa onde os suspeitos eram abrigados, no Ibura (Foto: Divulgação/PCPE)
Materiais apreendidos pela polícia na casa onde os suspeitos eram abrigados, no Ibura (Foto: Divulgação/PCPE)
Na casa do suspeito que abrigava os demais integrantes do grupo, foram apreendidos uma arma de fogo calibre 38 de inox, capacetes de moto, e coletes de motociclistas. No mesmo dia da prisão do trio, a polícia também apreendeu, em Boa Viagem, uma moto que já havia sido utilizada pela quadrilha em roubos.  

Os suspeitos vão responder pelos crimes de roubo majorado, porte ilegal de arma e associação criminosa. Os dois paulistas foram encaminhados para o Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel). Já o pernambucano, está sob audiência de custódia e, por enquanto, em liberdade. 

"A partir de agora é fazer o levantamento de todos os boletins de ocorrência que efetivamente foram registrados e também aproveitar para que pessoas que também foram vítimas e queiram se dirigir à delegacia de Boa Viagem para fazer o boletim de ocorrência (assim o façam), para podermos apontar a autoria de cada delito para que cada um possa responder pelo o que fez", finalizou o delegado Felipe Monteiro.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Estudante abre fogo e mata pelo menos seis pessoas em universidade russa
Manhã na Clube: entrevista com Anderson Ferreira, prefeito de Jaboatão dos Guararapes
Grupo Diario de Pernambuco