Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

CONSCIENTIZAÇÃO

Ônibus do Grande Recife ganham exposição por uma infância sem racismo

Publicado em: 08/10/2020 09:21

 (Foto: Andréa Leal)
Foto: Andréa Leal

 
Entre os dias 16 e 31 de outubro, todos os ônibus que compõem atualmente a frota em circulação do Grande Recife Consórcio de Transportes ganham uma exposição fotográfica para lembrar o mês dedicado às crianças. A mostra itinerante da fotógrafa Andréa Leal traz como tema “Por uma infância sem racismo” para alertar sobre os impactos do racismo na vida de milhões de crianças e adolescentes brasileiros.
 
A exposição também traz a atenção para  a necessidade de uma mobilização social que assegure o respeito e a igualdade étnico e racial desde a infância, convidando cada um a atuar a seu modo por uma infância e adolescência livres do preconceito racial.
 
Andréa Leal, presidente e fundadora do Instituto Luz Natural, instituição sem fins lucrativos que utiliza a fotografia como ferramenta de mudança social, se juntou ao  Centro de Educação e Cultura Daruê Malungo que reuniu 12 estudantes para que mostrassem seu protagonismo e suas histórias de luta contra o preconceito, por oportunidades, resgate da autoestima e valorização de suas raízes culturais.
 
Além da exposição, que também pode ser conferida gratuitamente em ambiente virtual, as imagens deram origem a um foto-livro cujo lucro da  venda será revertido para a ONG que atua há mais de 30 anos na comunidade de Chão de Estrelas, no Recife, com trabalho socioeducativo e resgate da cultura popular e negra por meio de oficinas de danças afro e popular, artes plásticas, percussão, canto, hip hop, leitura, cidadania, entre outras e sobrevive com ajuda de voluntários e doações. Além das fotografias, o álbum traz depoimentos das crianças ou seus pais e repassa 10 atitudes que cada um pode tomar para contribuir por uma infância sem racismo. As peças fazem parte do projeto “Toda Criança é Especial” realizado há 4 anos para que cada criança conte a história da sua vida como deseja, sem sofrer qualquer violência ou discriminação e para que viva plenamente, como toda criança merece.
 
Este ano, a iniciativa acontece também em homenagem ao menino Miguel Otávio Santana da Silva, de 5 anos, morto no dia 02 de junho de 2020 após cair do 9º andar de um prédio de luxo no Centro do Recife. A criança estava sob os cuidados da patroa de sua mãe, trabalhadora doméstica que havia levado o cachorro dos donos da casa para passear. Um caso que chocou o país e lançou luz sobre os rumos que a discriminação racial tem tomado na vida de nossas crianças.
 
Números
 Toda criança tem direito à proteção contra a violência. No entanto, a violência é um indicador que vem piorando nas últimas três décadas no Brasil e, 89,2% das vítimas de homicídios de 10 a 19 anos são negros. Toda criança tem direito a se desenvolver plenamente, mas milhões têm seu potencial interrompido pelo trabalho infantil e, 64,1% das crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil são negros. Toda criança tem direito à educação, mas há milhares de estudantes que passam pela escola sem aprender. As populações preta, parda e indígena tiveram entre 9% e 13% de estudantes reprovados, enquanto entre brancos esse percentual foi de 6,5%. Os dados são do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Candidatos têm características das mais distintas, mas estão longe de representar os grupos sociais
Resumo da semana: 5 anos do surto de microcefalia, Covid suspende aulas e nova pesquisa no Recife
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #289 - Colênquima e esclerênquima
Rhaldney Santos entrevista Dra. Larissa Ventura, oftalmopediatra
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco