Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Mercado online

Mesmo com debates sobre representatividade, bonecas negras somam apenas 7% de produtos online

Publicado em: 09/10/2020 16:25 | Atualizado em: 09/10/2020 16:58

 (Foto: Pixabay)
Foto: Pixabay

A quantidade de bonecas negras disponíveis para compra no mercado online é muito abaixo do número de crianças negras no Brasil. Esta é a conclusão da terceira edição do levantamento bianual realizado pela Avante - Educação e Mobilização Social no contexto da campanha “Cadê Nossa Boneca?” sobre a disponibilidade de modelos de bonecas à venda.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), pessoas negras representam 53,6% da população do país. No entanto, mesmo com a crescente discussão sobre representatividade e a consolidação da população negra como parte importante do mercado consumidor, o segmento de brinquedos não retrata a realidade brasileira. 

Segundo especialistas, o processo de auto identificação que acontece durante o processo de brincar é fundamental para o desenvolvimento da autoestima das crianças. “A partir daí, é pensar que ter bonecas pretas é necessário para uma educação mais justa, para alcançar as ideias de diversidade, de valorização do sujeito, de fortalecimento da autoestima, das inter-relações pessoais e sociais da criança. Faz todo o sentido, de convivência social, de respeito ao outro”, avalia Ana Marcílio, psicóloga, consultora associada da Avante e idealizadora da campanha.

A psicóloga Mylene Alves, que também faz parte da ONG, ressalta a importância da diversidade para os pequenos. “A criança apreende o mundo por meio do brincar. É essencial que ela tenha referências para que compreenda a si mesma e receba estímulos para que entenda que vive e convive com outros num ambiente de diversidade”, explica. “Muito do que nos tornamos quando adultos está enraizado na nossa infância, de forma que para sermos emocionalmente saudáveis, com autoestima e tolerância, precisamos olhar com atenção para o aprendizado e socialização das crianças. Já avançamos rumo a uma maior diversidade, mas ainda há um longo caminho pela frente”, conclui.

Ao todo, a pesquisa identificou 1.093 modelos de bonecas em 14 sites de fabricantes de brinquedos associados à Abrinq, dos quais apenas 6% eram negros. De todas as empresas pesquisadas, apenas oito possuíam bonecas negras em seus inventários. Nos levantamentos realizados em 2016 e 2018, os números foram semelhantes: 6,3 e 7%, respectivamente.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista Celso Muniz (MDB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #181 - Tiops de rins dos vertebrados
Rhaldney Santos entrevista Dr. Felipe Dubourcq, urologista
Polícia Federal vai usar drones para fiscalizar irregularidades nas eleições
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco