Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Saúde

Mulheres serão capacitadas para combater a sífilis nas comunidades com informação

Publicado em: 08/09/2020 09:15

 (Foto: Andréa Rego Barros/PCR)
Foto: Andréa Rego Barros/PCR
Mulheres atendidas pelo Programa Mãe Coruja, da Secretaria de Saúde do Recife, serão capacitadas para se tornarem multiplicadoras de informações sobre a sífilis congênita junto a outras mulheres. Ao todo, 60 mães serão treinadas a partir de quarta-feira (9) por equipes do programa e pela empresa Casa das Asas. 
 
Depois desse passo, as participantes vão realizar, durante três meses, rodas de conversa em diversas comunidades da capital para alertar a população sobre a doença e as formas de prevenção.
 
O projeto é uma iniciativa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e será conduzido pela Secretaria de Saúde do Recife e pela empresa Casa das Asas, que é conhecida pela promoção de oficinas lúdicas e criativas para crianças. “Como cada mulher vai realizar três rodas de conversa mensalmente, a nossa expectativa é que mais de cinco mil pessoas sejam alcançadas pelo projeto”, explica a coordenadora do Programa Mãe Coruja, Cláudia Soares.
 
Por conta da pandemia, as oficinas serão descentralizadas e realizadas em cada Espaço Mãe Coruja Recife, respeitando a necessidade de distanciamento social. As mulheres serão selecionadas e indicadas pela equipe do programa. Já as rodas de conversa vão acontecer em diversas comunidades, em locais escolhidos pelas participantes e que tenham espaço suficiente para manter a distância entre o público. Os encontros serão acompanhados pelos profissionais de forma remota e presencial.
 
A sífilis é uma doença infectocontagiosa transmitida, principalmente, por via sexual, e também de mãe para filho durante a gestação. O agente causador é a bactéria Treponema pallidum, e o sintoma mais comum é uma ferida indolor na região genital. A prevenção pode ser feita simplesmente com o uso correto e regular de preservativos. A sífilis é uma patologia crônica de fácil tratamento com antibióticos. Atualmente, o tratamento com penicilina está disponível em mais de 97% das Unidades de Saúde da Família do Recife. 
 
A sífilis congênita é uma doença transmitida para criança durante a gestação (transmissão vertical). Por isso, é importante fazer o teste para detectar a sífilis durante o pré-natal e, quando o resultado for positivo, tratar corretamente a mãe e seu parceiro sexual, para evitar a transmissão. A sífilis congênita pode se manifestar logo após o nascimento, durante ou após os primeiros dois anos de vida da criança. Recomenda-se que a gestante seja testada pelo menos em três momentos: na primeira consulta de pré-natal, no início do terceiro trimestre de gestação (7º mês) e no momento do parto ou em casos de aborto. Além do Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) da Policlínica Gouveia de Barros, na Boa Vista, a Prefeitura do Recife disponibiliza testagem rápida para HIV e sífilis em mais de 90 unidades de saúde, assim como disponibiliza testes em mutirões, ações de saúde e em eventos como Carnaval e São João. O exame é feito em cerca de meia hora.
 
No Recife, de 2017 a 2019, foram registrados 6.426 casos de sífilis adquirida, 1.885 de sífilis na gestação e 1.884 de sífilis congênita. Comparando os dados desse período, a Sesau observou uma queda de 17% no número de casos de sífilis congênita - de 670 em 2017 para 555 em 2019. Além disso, houve uma redução de 10% no coeficiente de detecção de casos de sífilis congênita – de 29,4 por mil nascidos vivos em 2017 para 26,3 por mil nascidos vivos em 2019. 
 
Criado pelo Governo do Estado, o Programa Mãe Coruja é desenvolvido, na capital pernambucana, pela Prefeitura do Recife desde 2014, com o objetivo de reduzir a mortalidade materno-infantil ao acompanhar a mulher durante o pré-natal, parto e puerpério, e a criança do nascimento até os 5 anos de idade. Desde a criação do Programa, já são mais de 20 mil mulheres e crianças cadastradas. Somente no primeiro semestre deste ano, os espaços receberam quase 1.500 novas mães e mais de mil crianças.
 
Atualmente, a cidade possui 14 Espaços Mãe Coruja, que atendem mulheres e crianças de 29 bairros mais vulneráveis do Recife e com maior coeficiente de mortalidade infantil. O programa municipal já entregou mais de 10 mil kits bebê, com 12 itens de enxoval e higiene. Os materiais são disponibilizados às gestantes cadastradas que realizem, no mínimo, sete consultas de pré-natal no SUS.
 
Desde o último mês, o Mãe Coruja Recife está distribuindo 650 kits compostos por livros de histórias infantis e álcool a 70% para as famílias cadastradas no programa. O material é fruto de uma campanha de arrecadação proposta pela equipe do Mãe Coruja.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #164 Atrópodos: a importância da quitina
Pernambuco investe R$ 47,2 milhões na agricultura familiar
Rhaldney Santos entrevista o ortopedista Leonardo Silveira
Rhaldney Santos entrevista o candidato à prefeitura do Recife Coronel Feitosa (PSC)
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco