Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Infraestrutura

Os desafios dos ciclistas em um trânsito feito para carros

Publicado em: 19/08/2020 17:21 | Atualizado em: 19/08/2020 18:25

 (Bruna Costa Esp/DP)
Bruna Costa Esp/DP
 
Um grupo de cicloativistas saiu hoje pelas ruas do Recife para fazer uma parada simbólica nos principais órgãos públicos da capital pernambucana para lembrar o Dia do Ciclista. A data, 19 de agosto, é uma homenagem ao ciclista brasiliense Pedro Davison, atropelado em 2006. Com uma faixa para lembrar onde precisa de ciclovia, os ciclistas passaram pela Câmara de Vereadores, Autarquia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU), Prefeitura do Recife e Palácio do Campo das Princesas. Não foram recebidos. O ato foi para registrar o movimento de resistência. O maior recado, no entanto, foi para as ruas. O grupo pequeno incomodou os motoristas apressados, que buzinavam impacientes enquanto eles exibiam uma faixa na Avenida Norte.

“Foi só o tempo do sinal abrir. Eles não tiveram paciência de esperar 10 segundos. O guarda de trânsito chegou a dizer que o carro podia passar por cima de mim e que eu estava correndo risco de vida”, apontou Gaia Lourenço, coordenadora da Associação Metropolitana dos Ciclistas do Recife (Ameciclo). 
Ativistas fizeram paradas em vários órgãos públicos entre eles a Prefeitura do Recife (Bruna Costa Esp/PCR)
Ativistas fizeram paradas em vários órgãos públicos entre eles a Prefeitura do Recife (Bruna Costa Esp/PCR)

Segurança no trânsito e mais respeito dos motoristas são as principais bandeira dos cicloativistas e isso implica em mais ciclovias e ciclofaixas e campanhas de conscientização. “Esse é um dia de luta pelo direito de pedalar com segurança no trânsito sem medo de ser atropelado”, apontou o cicloativista Marcelo Melo, 31 anos.
 
O uso da bicicleta no trânsito reduz a poluição e os engarrafamentos. Mas não é fácil o motorista entender que uma bicicleta no trânsito significa um carro a menos. "Há uma intolerância e até agressividade dos motoristas o que deixa o trânsito bastante hostil para o ciclista”, apontou Gaia Lourenço. 

A bicicleta como modal de transporte e não apenas de lazer é uma força ainda pouco aproveitada, segundo a Ameciclo e parte disso é resultado das políticas públicas e da falta de hábito da população. Um levantamento feito pela Ameciclo e divulgado em 2018 aponta que parte dos deslocamentos feito por carro é para percursos de cerca de 10km. “É um percurso perfeitamente possível de se fazer de bicicleta, mas é preciso que as pessoas tenham segurança e elas ainda não se sentem seguras”, lembrou a coordenadora da Ameciclo.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Brasil descarta exigir passaporte sanitário
Erupção de vulcão na ilha de Java deixou 34 mortos
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT/PE), Almir Mattias e Renata Berenguer
Laboratório anuncia teste para diferenciar o coronavírus da gripe A e B
Grupo Diario de Pernambuco