Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

DESABAFO

Aldo Vilela se emociona ao falar sobre morte do pai por Covid-19: 'Não subestimem esse mal'

Publicado em: 04/08/2020 19:53 | Atualizado em: 04/08/2020 20:43

Jornalista usou os momentos finais do seu programa para prestar uma homenagem ao pai  (Foto: Júlio Jacobina/Arquivo DP )
Jornalista usou os momentos finais do seu programa para prestar uma homenagem ao pai (Foto: Júlio Jacobina/Arquivo DP )
O jornalista Aldo Vilela, apresentador do CBN Total, deixou os protocolos profissionais de lado e fez um desabafo pessoal emocionado, ao final do programa desta terça-feira (4), sobre a morte de seu pai, vítima do novo coronavírus. No ar, o apresentador foi às lágrimas, relatando a perda familiar, que aconteceu ainda na madrugada de hoje. 

"Ao longo desses anos todos, este foi o dia mais difícil de fazer o programa", disse Aldo, que assumiu o comando da atração pela primeira vez há 15 anos na rádio CBN. "Cada entrevista minha, eu estava vendo a hora e parava, respirava, porque eu perdi meu pai esta madrugada para a Covid", desabafou o jornalista chamando a atenção para a gravidade da pandemia, que já deixou mais de 95 mil mortos no Brasil. 

"Muita gente insiste em não entender, subestima a doença. Muita gente subestima o mal e eu acabei perdendo o meu pai para a Covid", alertou o jornalista, que usou os minutos finais da edição do seu programa para representar as demais famílias que perderam parentes para o novo coronavírus. "É devastador. Quem perdeu um ente querido sabe o que eu tô dizendo", acrescentou em seguida. 

O apresentador revelou que pediu à sua equipe para usar a parte final do programa para homenagear o seu pai. "Primeira vez que eu faço isso em quase meus 30 anos de jornalismo", disse Aldo. "Ao meu pai, Adão Costa Vilela, a minha dedicação de todos esses anos. Hoje eu dedico esse programa para você".

"As pessoas não estão dando o valor, não estão levando a sério essa praga que se abateu em todo o planeta. Então eu preciso dedicar esse programa ao meu pai, ao qual eu tive o prazer de conviver por 47 anos. Obrigado a todos e até amanhã", despediu-se. 

Ouça na íntegra

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
De 1 a 5: Cuidados na saúde ocular das crianças
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #159 - Lesmas, Minhocas e Planárias
Rhaldney Santos entrevista a ginecologista Altina Castelo Branco
Pantanal: o pior incêndio da história
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco