Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Local

FUNASE

Reincidência de jovens atendidos pela Funase cai pelo segundo ano consecutivo

Publicado em: 15/05/2019 17:05 | Atualizado em: 15/05/2019 17:16

Seis em cada dez socioeducandos afastam-se da criminalidade. Foto: Marcelo Vidal/SDSCJ
O índice de reincidência em atos infracionais por jovens que passaram pela Fundação de Atendimento Socioeducativo (Funase) caiu pelo segundo ano consecutivo, de acordo com o Governo do Estado. A taxa, que era de 61,84% em 2016, foi reduzida para 47% em 2017 e recuou ainda mais em 2018, chegando a 40%. Os dados, que registram uma queda de mais de 20 pontos percentuais, estão contidos no Balanço Anual da Funase, concluído recentemente.

A reincidência é medida com base no número total de socioeducandos em um ano, por meio do cruzamento de informações sobre quantos já cumpriram medida socioeducativa antes. Na prática, o dado é importante por ser um termômetro da efetividade do atendimento socioeducativo. "Este resultado faz parte de um planejamento de governo que envolve desde a prevenção, passando pelas ações efetivas de segurança pública, até a inserção social. Ainda há muito a ser feito, mas os dados mostram que estamos no caminho certo", avalia o secretário de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude de Pernambuco, Sileno Guedes.

Em 2018, 2.207 socioeducandos foram inseridos em cursos profissionalizantes de instituições parceiras, como a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o Instituto Federal de Pernambuco (IFPE), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

"Recebemos um adolescente que, por vezes, veio de um cenário de muita fragilidade. Na Funase, ele tem acesso a uma série de políticas públicas e, o mais importante, começa a conhecer novos ambientes de estudo e estágio que abrem leques de possibilidades de futuro. A reincidência de 40% ainda não é a que almejamos, mas já é bem distante daquela que tínhamos dois anos atrás e mostra o resultado do trabalho que vem sendo desenvolvido", destaca a presidente da Funase, Nadja Alencar.

EGRESSOS - Em Pernambuco, o acompanhamento de egressos da Funase é feito pela Gerência Geral do Sistema Socioeducativo da Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ). Por meio do Projeto Novas Oportunidades, esse público é preparado para entrar no mercado de trabalho. Desde 2014, 411 ex-socioeducandos com idades entre 12 e 22 anos foram atendidos. O programa busca diminuir a reincidência no cometimento de atos infracionais e mortes de egressos ameaçados pelo crime. Desde a implantação do projeto, 38 ex-socioeducandos reincidiram, o que equivale a apenas 9% do total de pessoas acompanhadas.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Maria, mãe de um povo ferido
Confira a estreia do programa In set
Educação humanizadora e não violência nas escolas
João e os 50 anos de colunismo social
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco