Diario de Pernambuco
Busca

CONJUNTURA

Tebet: tragédia no RS deve causar retração no PIB, mas economia vai se recuperar

Segundo a ministra do Planejamento, a Fazenda vai apresentar, até sexta-feira da próxima semana, um pacote para socorrer a indústria e o setor produtivo do estado

Publicado em: 23/05/2024 20:41



Na ocasião, a ministra destacou o programa de Rotas de Integração Nacional e enfatizou a necessidade de "interiorizar" o país (foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputados)
Na ocasião, a ministra destacou o programa de Rotas de Integração Nacional e enfatizou a necessidade de "interiorizar" o país (foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputados)

A ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, disse nesta quinta-feira (23) que espera uma retração do Produto Interno Bruto (PIB) no próximo trimestre, devido à tragédia no Rio Grande do Sul. No entanto, segundo ela, a economia deve se recuperar até o fim do ano com a adoção de estímulos pelo governo. 

 

“É natural que aconteça, a economia do Rio Grande do Sul está paralisada, mas, com a quantidade de estímulos que estamos fazendo, dentro do limite", disse durante participação no Abdib Fórum 2024 Infraestrutura: bases para a neoindustrialização e desenvolvimento sustentável, que ocorre no Brasil 21, em Brasília. O evento é realizado pela Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib).

 

“Vamos fiscalizar o dinheiro para chegar na ponta, fazer com que chegue da forma correta. Acreditamos que tenhamos, até o fim do ano, economia recuperada”, acrescentou.

 

Segundo Tebet, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, vai apresentar até sexta-feira da próxima semana (31) um pacote para socorrer a indústria e o setor produtivo do estado. “Essa recuperação depende do esforço de uma série de medidas que estamos fazendo, o que vai permitir alavancar o mais rápido possível um estado tão importante”, afirmou. 

 

Infraestrutura é essencial para competitividade da indústria, diz Alckmin

Apesar dos gastos extras devido à tragédia, a ministra reforçou ainda o compromisso do governo com as contas públicas. "Nossa meta (de deficit fiscal) é zero, a equipe econômica está focada a alcançar esse objetivo.”

 

Na ocasião, a ministra destacou o programa de Rotas de Integração Nacional e enfatizou a necessidade de “interiorizar” o país. “É assim que gerará emprego e renda para desenvolver o crescimento do país." 

 

 

Confira as informações no Correio Braziliense

MAIS NOTÍCIAS DO CANAL